Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Património Textual e Humanidades Digitais

 | 
Maria Filomena Gonçalves
, 
Ana Paula Banza

Fontes metalinguísticas para o português clássico

O caso das Reflexões sobre a Lingua Portugueza

Maria Filomena Gonçalves et Ana Paula Banza

Texte intégral

1. HISTÓRIA DE UM PROJECTO EM CURSO

1A Biblioteca Pública de Évora (BPE) foi fundada em 1805 por D. Frei Manuel do Cenáculo Villas Boas (1724-1814), Bispo de Évora e relevante erudito da “ilustração” portuguesa, cuja acção enquanto “construtor de bibliotecas” (Vaz, 2006: 5), bibliófilo e coleccionador de obras artísticas e de peças arqueológicas contribuiu também para a fundação da Biblioteca Nacional de Lisboa e da Biblioteca da Academia das Ciências de Lisboa. Estima-se que, à data da sua morte, o Bispo de Évora tivesse coleccionado cerca de 100 000 livros, ainda hoje integrados nos antigos fundos da BPE.

  • 1 A BPE já disponibiliza on line quer este Catálogo, quer outros, de manuscritos e de impressos, o qu (...)
  • 2 Pelas relações com a Universidade de Évora, é de realçar o “[…] espólio herdado da produção univers (...)

2Após várias vicissitudes, em 1838, com a nomeação de Joaquim Heliodoro da Cunha Rivara (1809-1879), que foi o primeiro bibliotecário civil da BPE, a instituição eborense conheceria uma nova fase. Bacharel em Medicina e Professor de Filosofia no Liceu de Évora, Cunha Rivara exerceu, entre 1838 e 1855, uma acção notável de inventariação, catalogação, investigação e divulgação do valioso espólio arquivístico e bibliográfico da BPE, bem como do património monumental da cidade alentejana, a ele se devendo a organização e publicação do Catálogo dos Manuscritos da Biblioteca Pública Eborense (Rivara, 1850; Rivara, 1868-1871), que é referência obrigatória por ser o único disponível até hoje1. No entanto, dos quatro volumes que constituem o Catálogo, apenas o primeiro (1850), relativo às Cousas da América e África, foi inteiramente preparado por Cunha Rivara, sendo os restantes três (1868-1871) organizados pelo bibliófilo Joaquim António de Sousa Teles de Matos, baseado embora em anotações de Rivara. A este se ficou a dever, por outro lado, o início da integração dos impressos (cerca de 5000 volumes oriundos das Livrarias dos conventos extintos) na Biblioteca, existindo notícias de que muitos outros, por falta de estantes, terão ficado dispersos por várias instituições e livrarias (Vaz, 2006: 79). Entre as preciosidades existentes nos acervos da BPE (Ruas, 2005), contam-se 664 incunábulos (Cid, 1988) e 6445 livros impressos do século XVI (Monte, 1968; Anselmo, 1997, 2002; Curto, 2003), para além de vários núcleos de manuscritos e de 20000 títulos de publicações periódicas2.

3Naturalmente, um acervo desta natureza não poderia passar despercebido aos investigadores da Universidade de Évora que, desde 2008, vêm tentando pôr de pé um projecto de divulgação e estudo destas obras, tão interessantes como pouco acessíveis a quem pretenda estudá-las ou simplesmente lê-las, pois, além de não estarem disponíveis on line, mesmo in loco a catalogação oitocentista dificulta sobremaneira a pesquisa. Desde o início, a atenção das investigadoras na génese do projecto, ambas estudiosas da História da Língua Portuguesa, centrou-se naturalmente nas fontes que constam dos acervos da BPE, com destaque para as de natureza (meta) linguística (Cardoso, 1994), disponíveis para o português a partir do séc. XVI, que, como é sabido, são duplamente interessantes para a História da Língua, na medida em que funcionam como fontes primárias e secundárias.

4Devido ao grande número e, em alguns casos, ao deficiente estado de conservação das obras, o projecto terá necessariamente de seleccionar, das obras editáveis, as consideradas de maior valor para a chamada “memória linguística”, muitas das quais únicas ou raras (Cid, 1988; Ruas, 2005), quase todas deficientemente catalogadas, pelo que se imporá, antes de mais, a sua catalogação prévia, recenseando-se, em seguida, os textos a editar de entre aqueles que se encontram em boas condições e inéditos ou com edições deficientes e/ou dificilmente acessíveis.

5A escolha de documentos de natureza metalinguística como objecto do presente projecto justifica-se, além do já referido duplo interesse como fontes para a História da Língua Portuguesa, pelo facto de, dos poucos corpora existentes para o português, serem raros os que incluem textos desta natureza.

6Por outro lado, a opção pela edição de documentos à guarda da Biblioteca Pública de Évora prende-se com os factores de proximidade e serviço à comunidade e com a vocação do CIDEHUS, o centro de investigação no qual se inscreve o projecto, para as problemáticas do Sul, em diversas perspectivas, mas também com o facto de, sendo a Biblioteca Pública de Évora uma biblioteca riquíssima, mas de acesso difícil aos investigadores, os benefícios deste projecto irem muito além da comunidade local, assumindo relevância nacional e internacional.

7Assim, num primeiro momento, o projecto nasce centrado na BPE, enquanto manancial deste tipo de fontes, com o título de Memória (Meta) linguística do Português na Biblioteca Pública de Évora (MEP-BPE).

8Num segundo momento, que pretendia enfatizar a dimensão digital, o projecto passou a denominar-se Memória (Meta) linguística do Português na Biblioteca Pública de Évora: Para uma Biblioteca Digital (MEP-BPEDig). O desafio era, já então, antes de mais, disponibilizar à comunidade internacional parte significativa dos acervos da BPE, relevante para a promoção e o estudo da língua portuguesa no mundo, uma vez que a dificuldade de acesso àqueles materiais tem retraído o avanço do conhecimento e do estudo sobre fases pretéritas da língua portuguesa. Nesse sentido, no plano deste projecto, além da digitalização e disponibilização das fontes, contemplava-se também a selecção e o estudo das mais relevantes.

9O plano de investigação, as tarefas, a metodologia e os resultados previstos visavam, pois, alcançar um maior conhecimento das fontes metalinguísticas do Português, contribuir para o seu espaço na rede e para o avanço da investigação sobre a língua portuguesa e a sua memória. No actual estado do conhecimento, tais objectivos têm grande pertinência, uma vez que a investigação linguística sobre o português não tem produzido e disponibilizado dados e materiais suficientes, apesar de se tratar de uma língua com uma longa tradição escrita, uma das mais faladas no mundo e global, antes mesmo do fenómeno de “globalização”.

10Centrado numa das mais antigas Bibliotecas Públicas do país, este projecto foi, pois, concebido como um contributo relevante para o avanço do conhecimento da memória metalinguística do português, conciliando, em termos metodológicos, a tradição filológica com a inovação técnica e disponibilizando ao público e ao investigador, pela primeira vez, um vasto conjunto de materiais desconhecidos, inéditos ou raros.

11Nesta fase, o plano desenvolver-se-ia do seguinte modo:

  1. Levantamento sistemático de fontes relevantes (manuscritas e impressas, em Português e em Latim), existentes na BPE, para o estudo da “memória (meta) linguística” do português;

  2. edição de um catálogo informativo contendo a identificação e a descrição bibliográfica das obras consideradas relevantes para a História/Historiografia da Língua Portuguesa;

  3. disponibilização on line de um catálogo descritivo das obras inventariadas;

  4. elaboração de uma base textual on line;

  5. edição e estudo de alguns desses materiais, a seleccionar.

12A segunda versão do MEP-BPE, o MEP-BPEDig, enfatizava a ideia de este projecto poder constituir-se como uma primeira fase para a transformação da BPE numa Biblioteca Digital, pressupondo já uma mais estreita articulação e maior equilíbrio entre as vertentes filológica e técnica.

13No entanto, a evolução da reflexão sobre o objecto e os objectivos do projecto, levaria a equipa a repensar mais profundamente o seu escopo, que deixa de ser a BPE para passar a ser as fontes propriamente ditas. Nesta nova versão, passa, então, a designar-se Edições Digitais para a História da Língua Portuguesa (sécs. XVI-XIX) - EDHILP, designação que pretende reflectir, por um lado, o alargamento do âmbito, que, continuando a partir dos acervos da BPE, prevê, em fases posteriores do projecto, a incorporação de outros fundos, portugueses e/ou estrangeiros; e, por outro, o reforço da componente informática, que passa a incluir, além da divulgação dos textos em formato imagem e formato texto, várias ferramentas de análise consideradas úteis à utilização dos textos como fontes para a história da língua portuguesa.

14Mais marcadamente interdisciplinar e com maior peso da componente tecnológica, o EDHILP centra-se, assim, na divulgação e utilização das fontes metalinguísticas do português para estudos linguísticos, tendo como objectivo o desenvolvimento de edições on line de documentos históricos de natureza metalinguística, que terão a peculiaridade de funcionar, em simultâneo, como edições e como corpora, permitindo a comparação da imagem do manuscrito (Cf. Anexo 2) com a sua edição diplomática e a sua análise através das ferramentas informáticas criadas para o efeito, as quais se pretende que sejam facilmente utilizáveis e adaptáveis a textos históricos de diferentes naturezas, nomeadamente, um dicionário do Português Clássico, ferramentas de etiquetagem para pesquisa linguística e ainda ferramentas de identificação de entidades mencionadas e de polaridades de opinião, com vista à identificação e valoração das fontes citadas ou referidas pelos autores das obras editadas. Tais edições, bem como as ferramentas informáticas a elas associadas, serão úteis essencialmente para linguistas e historiadores, mas também para um público mais alargado, apresentando, em relação a outras formas de disponibilização on line de documentos, como a digitalização, vantagens consideráveis, quer quanto à qualidade, quer quanto à versatilidade.

15Assim, o EDHILP assume-se como um projecto claramente interdisciplinar, promovendo interfaces entre a Linguística, a História, a Literatura e a Informática, e cujos resultados permitirão disponibilizar em versões acessíveis e funcionais um número significativo de documentos históricos de interesse (meta) linguístico, permitindo, pela criação de ferramentas informáticas adequadas, perspectivar, em desenvolvimentos futuros deste projecto, o alargamento do corpus a outras obras da mesma natureza, mas também a obras de diferente natureza e aos acervos de outras bibliotecas.

16Agora em fase de conclusão, continua a identificação e catalogação das obras com interesse metalinguístico à guarda da BPE, que se prevê possa dar origem a um catálogo temático, e tem vindo a ser desenvolvida, em conjunto com grupos de trabalho da área das Humanidades Digitais, uma reflexão teórica sobre a aplicação dos meios informáticos à actividade filológica da edição.

  • 3 Cf. ANEXO 1.

17Entretanto, a par das tarefas antes referidas – catalogação, selecção do corpus e criação de ferramentas automáticas com diversas funcionalidades – tem vindo também a ser realizado o estudo de algumas das fontes recenseadas, a começar por uma da qual se possui, quer o manuscrito autógrafo, produto da língua escrita e da reflexão metalinguística setecentista em Portugal, quer uma primeira edição, produto da língua escrita, da reflexão metalinguística e das práticas filológicas oitocentistas. Falamos das Reflexões sobre a Lingua Portugueza, de Francisco José Freire3, mais conhecido pelo pseudónimo arcádico de Cândido Lusitano, obra relevante a vários títulos, escrita por Freire em 1768, mas, em virtude da sua morte em 1773, inédita até 1842, data em que Heliodoro da Cunha Rivara decidiu editá-la.

18Nas secções seguintes apresentam-se alguns resultados dos estudos filológicos e linguísticos desenvolvidos pelas autoras sobre as Reflexões sobre a Lingua Portugueza.

2. FONTES METALINGUÍSTICAS PARA O PORTUGUÊS CLÁSSICO: O CASO DAS REFLEXÕES

2.1. FRANCISCO JOSÉ FREIRE

19Francisco José Freire, autor das Reflexões sobre a Lingua Portugueza, aqui em apreço, viveu em pleno século XVIII (1719-1773), sob D. João V, o Magnânimo (1706-1750) e D. José I, o Reformador (1750-1777), ou, melhor dizendo, sob Pombal, a quem, com mais propriedade, poderia aplicar-se aquele epíteto.

20Membro da Congregação do Oratório, que não era exactamente uma ordem religiosa, embora se subordinasse à autoridade episcopal, Freire pertencia a uma elite cultural que, na época, constituía a expressão mais esclarecida da nova mentalidade das Luzes em Portugal.

21Desde o início do século XVIII que, sob o influxo das Luzes europeias, difundidas entre nós, em grande parte, pelos estrangeirados, se tornava urgente uma reforma do ensino e, neste contexto, os Oratorianos surgiam, por oposição aos Jesuítas, como representantes de uma pedagogia mais moderna, traduzida sobretudo na adopção das ciências experimentais e algébricas e na importância atribuída ao estudo da língua pátria. Acompanhando esta tendência, as políticas de D. João V foram, desde a sua subida ao trono, criando as condições necessárias a que os Oratorianos pudessem concorrer com os Jesuítas nos Estudos Menores, terminando assim com dois séculos de monopólio jesuíta no ensino. Seria, porém, já no reinado de D. José I, com Pombal, que a grande reforma pedagógica, associada à expulsão dos Jesuítas (1759), se concretizaria.

22É neste contexto que surge, em 1756, a Arcádia Lusitana ou Olisiponense, agremiação literária cuja vida foi, aliás, curta (desapareceu em 1774, escassos dezassete anos após a sua fundação). Associada ao combate aos excessos do barroquismo setecentista e à defesa do bom gosto e de um programa neoclassicista, alinhava sob o eloquente símbolo da faca de podar, associado à, não menos significativa, divisa inutilia truncat.

  • 4 A obra teve outras edições em 1746, 1787, 1815 e 1849. Da 1ª parece ter existido uma reimpressão, n (...)

23Francisco José Freire, ou Cândido Lusitano (Cf. Anexo 1), foi um dos seus mais destacados membros e o seu principal teorizador. Da sua obra, destaca-se a Arte Poetica (1748), que, embora anterior à fundação da Arcádia, viria a constituir o seu manifesto e acaba por se reflectir em toda a obra de Freire, que, além desta e de outras obras de carácter teórico e crítico e de várias traduções de autores greco-latinos, se distinguiu ainda, no panorama metalinguístico do séc. XVIII português, como preceptista estilístico e gramatical, com obras como Secretario Portuguez (1746)4, Diccionario Poetico (1765) e Reflexões sobre a Lingua Portugueza (datadas de 1768).

2.2. AS REFLEXÕES: ASPECTOS FILOLÓGICOS

  • 5 Além de promover a edição de várias obras inéditas, esta Sociedade fundou O Panorama (1837-1844), u (...)

24As Reflexões sobre a Lingua Portugueza são, de facto, um dos melhores exemplos do riquíssimo património de fontes textuais da BPE, bem como da relevância da conservação, disponibilização, estudo e divulgação desse património, que integra a nossa herança textual. Escritas em 1768, mas editadas postumamente, como acima se disse, as Reflexões conheceram a sua primeira edição em 1842, em Lisboa, na “Collecção de inéditos publicados pela Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis”5. Esta edição, no entanto, como em geral todas as edições oitocentistas, encontra-se hoje, além de esgotada, desactualizada, porquanto os seus pressupostos não são actualmente aceitáveis à luz dos princípios teóricos e metodológicos da crítica textual (Spina, 1977; Critique, 1986; Spaggiari e Perugi, 2004; Cambraia, 2005; Castro, 2007).

25Com efeito, a edição de 1842, claramente interpretativa, não só altera substancialmente o texto do Autor, como não dá a conhecer ao leitor o teor e o alcance das intervenções editoriais, uma vez que não existem critérios de transcrição expressos, o que torna a edição inutilizável para estudos linguísticos. Em nota à “Prefação da Presente Edição”, é dito que “o Sr. Rivara […] teve a bondade de vigiar pela exacção da copia do Ms.” (Rivara, 1842: XXIV), nota que ilustra bem o modus faciendi das edições oitocentistas, cuja transcrição ficava a cargo de qualquer obscuro funcionário de biblioteca, não identificado, cabendo ao “editor” não mais do que a revisão da transcrição e a redacção do prefácio e notas. Não espanta, por isso, que, apesar da erudição dos editores, como é o caso, a análise destas edições revele banalizações e outros erros de transcrição, bem como uma enorme inconsistência ao nível dos critérios utilizados; além da modernização e uniformização indiscriminada de grafias, que, regra geral, oculta importantes factos linguísticos.

  • 6 Esta edição encontra-se disponível on line, na Biblioteca Nacional Digital (Memórias - Língua), no (...)

26Urge, pois, revisitar o manuscrito de Francisco José Freire e fornecer ao leitor actual uma edição fidedigna das Reflexões. Uma tal edição terá de definir de forma clara, em função do tipo e cronologia do texto e do público-alvo da edição, critérios e normas de transcrição, que, atendendo à inexistência de outras edições, terão de ser razoavelmente conservadores. Só este procedimento permitirá a conservação, disponibilização, estudo e divulgação desta importantíssima obra, que, como antes referido, é apenas uma das muitas, de idêntico valor e interesse, que constituem o espólio da BPE e que é objectivo do presente projecto resgatar da poeira dos arquivos e devolver ao público. Vejam-se, nas Tabelas a seguir, alguns exemplos ilustrativos do que acima fica dito sobre as intervenções editoriais de Rivara6.

  • 7 Importa salientar que as Partes das Reflexões saíram em fascículos diferentes, depois reunidos num (...)

27Estes e outros exemplos, que facilmente se identificam no confronto do manuscrito de Freire com as páginas correspondentes da edição de Rivara (1842)7, são suficientemente ilustrativos dos vários problemas filológicos da edição oitocentista realizada pelo bibliotecário e revelam a urgência de uma edição crítica que devolva ao público este importantíssimo texto para efeitos de análise linguística.

28Um dos aspectos em que as Reflexões assumem particular interesse linguístico é o que se refere ao léxico do português setecentista, assemelhando-se muitas das Reflexões a dicionários “temáticos”, por exemplo, de palavras caídas em desuso ou de palavras consideradas inaceitáveis em determinados géneros literários, mas comummente usadas. Das Reflexões como exercício “paralexicográfico” (Verdelho, 1995: 225) tratar-se-á no ponto seguinte.

2.3. ASPECTOS (PARA)LEXICOGRÁFICOS

29Por texto paralexicográfico entende-se qualquer rol de unidades lexicais ou fraseológicas que apresente uma estrutura (micro e macro) semelhante ou equivalente à das obras lexicográficas, a saber: ordenação alfabética, lema destacado seguido de campos relativos quer a especificidades da definição do lema – sinonímica ou perifrástica – (perífrase descritiva ou explicativa), quer aos vários usos da palavra-entrada no contexto da variação linguística que, por meio de “marcas”, vale dizer, de expressões abreviadas, fornecem uma informação complementar acerca do uso das palavras (Porto Dapena, 2002: 250). Assim, ao marcar certa unidade como “vulgar” (vulg.), “familiar” (fam.) ou “chula”, por exemplo, o lexicógrafo está a delimitar o que considera ser o estatuto sociolinguístico e estilístico dessa unidade.

30Ora, a verdade é que nas Reflexões se apresentem procedimentos equivalentes aos das obras lexicográficas, uma vez que Freire organiza alfabeticamente as listas de palavras, esclarece o significado destas, aduz textualizações literárias, baseadas nos clássicos nacionais (Banza, 2012), e assinala o uso de cada palavra em função de uma hierarquização estilística (Thielemann, 2007) em cujos extremos se encontram o “estilo magnífico ou sublime” e o “chulo”, passando pelo “oratório”, o “familiar”, o “vulgar” e o “popular”, correspondentes a outras tantas “marcas lexicográficas” (Porto Dapena, 2002: 250-251), muito embora não surjam abreviadas.

31Com efeito, as Reflexões comungam de alguns dos princípios inerentes à técnica lexicográfica, coincidindo com esta, desde logo, na aplicação do critério alfabético, consoante se observa, por exemplo, na “Reflexão 7ª da Parte Primeira”, na qual a ordem dos lemas deriva da ortografia usada pelo editor das Reflexões.

TABELA 5

TABELA 5
  • 8 Intitula-se Em que recommendando-se o falar com toda a propriedade se oferece um Catalogo de termos (...)

Note 138

32Quanto ao segundo princípio lexicográfico – existência de definição (campo definicional) da palavra-entrada – também neste aspecto se aproxima Freire da prática do lexicógrafo, visto que o interesse do autor das Reflexões radica, precisamente, na elucidação semântica das unidades, na destrinça entre formas que, não raro, eram tomadas como sinónimas, procurando devolver-lhes um uso social e estilístico que as reconduzisse ao que julgava ser a legitimidade e transparência perdidas no decurso do século XVII.

33Com o rigor da “locução” ou do “estilo”, relaciona-se a problemática da sinonímia, da qual trata Freire na Reflexão 7ª. O processo de equivalência é analisado no âmbito do “valor e propriedade de muitos termos Portuguezes, a qual anda pervertida pelos Escriptores ignorantes, persuadidos de que são synonimas palavras, que muitas vezes na significação são entre si contrarias, e opostas” (Freire, 1842, Parte I, Reflexão 7ª: 70).

34Em conformidade com a teoria lexicográfica (Haensch, 1982; Porto Dapena, 2002), a definição tanto pode ser “intralinguística”, consistindo numa relação sinonímica entre duas unidades lexicais consideradas equivalentes, como pode corresponder a uma perífrase, a qual, em geral, consiste num enunciado descritivo do referente nomeado ou da sua função ou utilidade. Esta definição não se realiza por referência a outra (s) unidade (s) do léxico, mas por remissão para o universo dos referentes nomeados pelos signos linguísticos. Às anteriores acrescenta-se, por outro lado, a definição enciclopédica, caracterizada pela descrição pormenorizada do referente nomeado, motivo por que é extralinguística.

35No entanto, os dicionários oferecem, não raro, definições mistas, nas quais aparecem, não só sinónimos, como também perífrases, servindo estas para esclarecer algum aspecto do significado ou, se for o caso, do referente nomeado pelo lema. Ora, também neste ponto, as Reflexões acompanham a prática lexicográfica, uma vez que, ao definir as unidades, Freire recorre, simultaneamente, a sinónimos e a perífrases – definição mista – porquanto visa reconduzir as palavras à sua pureza primigénia, vale dizer, ao significado original e preciso, denunciando, assim, diferentes graus de sinonímia (sinónimo “próprio”, “impróprio” e “figurado”). Vejam-se, a seguir, exemplos de “definições mistas” de algumas das unidades reunidas na Tabela anterior.

36Algumas destas definições realizam-se pela negativa – “não significa”, “não significam o mesmo”, “não é synonimo” –, processo ao qual Freire recorre com frequência, e que não equivale, em bom rigor, a uma definição por antonímia, conforme se observa nos exemplos seguintes:

37O princípio da “marcação” lexicográfica está igualmente presente nas Reflexões, se bem que as marcas (Porto Dapena, 2002: 250-251) não apareçam abreviadas, como referido acima, contudo, a julgar pelos exemplos a seguir, não restam dúvidas de que Francisco José Freire reconhece o uso específico das unidades lexicais como “termos”, isto é, como palavras próprias de uma actividade ou profissão, pertencendo, pois, ao que hoje se conhece como terminologia técnica ou científica, vale dizer, linguagens especiais (Verdelho, 1998). São exemplos da marcação lexicográfica, as seguintes palavras: “Decotar: termo proprio para as arvores, quando lhes cortam os ramos. Na Arte da Caça, pag. 75, tambem se aplica este verbo ao tirar as pennas ás aves” (Freire, 1842, I, Reflexão 7 ª: 99); Encamizada, que recebe a marca “termo militar”, significa o “assalto, que se dá ás escuras, vestindo os soldados as camisas, ou outros pannos de linho, sobre as fardas para se distinguirem dos contrários na escuridade. […]” (Freire, 1842, I, Reflexão 7ª: 113).

2.4. ASPECTOS LEXICAIS

38Como acima se demonstrou, entre os topói que percorreram o século XVIII conta-se a variação lexical. É no contexto do purismo setecentista que se discute, quer a pertinência da importação de palavras (em especial de origem francesa), quer a revitalização de vocábulos vernáculos que, embora tivessem caído em desuso, poderiam ser reintroduzidas na língua, de molde a enriquecerem o caudal lexical, uma vez que estavam validadas pelo uso dos clássicos quinhentistas e, ainda, de alguns seiscentistas, em particular de António Vieira (Banza, 2012), considerado um dos representantes do “português de lei”.

39Do mesmo modo, o interesse pelas palavras “antigas” ou “antiquadas” irá traduzir-se num exercício de apreciação da utilidade dessas unidades.

2.4.1. DIACRONISMOS

40Algumas das Reflexões de Freire centram-se precisamente na avaliação de um corpus coligido de autores dos séculos XVI e XVII, com vista à possível reactivação de palavras que, legitimamente, poderiam renovar o léxico literário setecentista, sobretudo depois dos exageros praticados pela maioria dos seiscentistas. Mas, se a proposta de Freire representa, por um lado, uma renovação “endógena”, fundada na tradição linguística, por outro, também mostra que as “palavras antiquadas” eram vistas como um importante recurso estilístico, tanto na poesia como na prosa, já que a preocupação do autor incidia na língua literária; não na língua oral.

41Apesar de defender a renovação “intrassistémica”, Freire não recusava completamente a importação lexical, embora esta devesse obedecer a certos critérios, como a inexistência de uma alternativa na tradição nacional, porquanto a via endógena tinha a vantagem de recuperar léxico patrimonial, legítimo e autorizado. Esta atitude purista, baseada em parâmetros que, por serem clássicos, não deixavam de ser subjectivos – “energia”, “força expressiva” e “pureza” –, opera em sentido contrário à dinâmica da língua, à qual é inerente a variação.

42Na Reflexão 2ª da Parte Primeira das Reflexões, trata Freire precisamente do “uso de algumas vozes antiquadas”, onde o arcádico escritor esclarece que

[…] o uso recebido pelos sabios, que se seguiram a estes mestres, tem maior auctoridade, do que elles, porque esta é a differença das Linguas vivas ás mortas, faremos agora memoria de algumas vozes, que tendo sido usadas pelos melhores Classicos, estão hoje inteiramente antiquadas” (Freire, 1842, I, Reflexão 2ª: 22),

acrescentando a seguir:

não espere aqui o leitor um catalogo prolixo de nomes, que já despresar por antiquados o insigne João de Barros, quando em seus admiraveis escritos deo polimento, e cultura á nossa Linguagem, porque de taes vozes trataram já Duarte Nunes de Leão, Bento Pereira, e com especialidade o P. Bluteau em um especial Catalogo, que anda no tomo segundo do Suplemento ao seu Vocabulario (ibid.).

  • 9 Cf. Introducção ao escriptor principiante (Freire, 1842, I: 1-4).

43O período compreendido nesta Reflexão 2ª vai de Barros a Vieira, quando “floreceram reinantes” (ibid.) muitas palavras que vieram a “murchar na idade presente”, vale dizer, na época do Autor. Esta Reflexão segue-se a outra sobre a “auctoridade dos Auctores Classicos da Lingua Portugueza”, considerados como modelos a seguir pelo escritor principiante, a quem a obra é dedicada9, e constitui, em conjunto com as reflexões terceira e quarta, respectivamente sobre palavras “das quaes frequentemente se usa, e os criticos não admittem” e sobre “nomes latinos introduzidos na Lingua Portugueza por Escriptores de inferior classe, aos quaes não se deve seguir”, um conjunto de reflexões sobre vocabulário comummente usado e dicionarizado, mas que, de acordo com o autor, não deveria ser usado pelos escritores, não devendo, por isso, figurar nas obras lexicográficas.

44A Reflexão 2ª trata, pois, de palavras antiquadas, entendendo-se por tal palavras que deixaram de ser usadas pelos escritores, o que não significa que o autor concorde com o seu afastamento do léxico do português. Logo na introdução a esta Reflexão, Freire adverte que não tratará nesta lista das palavras que já eram “antiquadas” no tempo de João de Barros (séc. XVI), porque delas tratou Bluteau, no segundo tomo do Supplemento (1728) ao seu Vocabulario Portuguez, e Latino (Silvestre, 2008, 2013) entre outros autores, como Duarte Nunes de Leão ou Bento Pereira; mas tão só daquelas “que desde Barros até Vieira [sécs. XVI-XVII] floreceram reinantes, e vieram a murchar na idade presente [sécs. XVII-XVIII], sem mais fundamento, que a opposição do uso, arbitro muitas vezes imprudente em taes materias” (Freire, 1842, I, Reflexão 2ª: 22). Assim, Freire, além de se demarcar dos autores que, pelo desuso, tornaram antiquadas as palavras elencadas, assume-se, desde logo, como complementar em relação a Bluteau, na medida em que este trata apenas das palavras que já não eram usadas no tempo de Vieira, enquanto Freire acrescenta aquelas que caíram em desuso desde o tempo de Vieira até ao seu, isto é, entre o final do séc. XVII e a data em que escreve, 1768, perfazendo um período de cerca de setenta anos.

45Efectivamente, encontramos ainda em Bluteau todas as palavras apontadas por Freire como antiquadas, o que significa, antes de mais, que, efectivamente, estas palavras não eram ainda arcaicas quando Bluteau inicia a publicação do Vocabulário, escassos anos após a morte de Vieira (diz Freire que “desde Barros até Vieira floreceram reinantes”), mas, aparentemente, haviam-se tornado antiquadas em 1768, quando Freire escreve as Reflexões. No entanto, e quando esperaríamos que tais palavras já não figurassem no dicionário de Morais, no final do séc. XVIII, em 1789, eis que elas ressurgem, como se nunca tivessem saído de uso, mantendo-se, muitas delas, vivas até hoje, como é o caso de palavras como delonga, por ‘demora’; derradeiro, por ‘último’; estugar, por ‘apressar’ ou timoneiro, por ‘aquele que governa o leme de uma embarcação’

46O rol de Francisco José Freire inclui setenta e duas unidades, algumas das quais se encontram reunidas na tabela abaixo.

TABELA 8

TABELA 8
  • 10 É de notar que algumas destas unidades serão talvez empréstimos castelhanos. Veja-se o exemplo de “ (...)

Note 1510

47Ora, uma observação sistemática da lista de setenta e duas palavras dadas como “antiquadas” por Freire entre o final do séc. XVII e a redacção das Reflexões, em 1768, permite verificar que todas elas se encontram, com algumas alterações, em Morais, sendo poucos os casos em que este lexicógrafo confirma o estatuto de “antiquadas” às palavras elencadas por Freire. A maioria delas consta também no dicionário de Houaiss (2001).

48Tal é o caso de palavras como Imigo, por ‘inimigo’, que continuam a aparecer em Morais, mas registadas como diacronismo ou o de longor, por ‘comprimento’, que se mantém também em Morais, mas com a indicação de “pouco usado”. Em palavras como Esgares, registada em Freire no sentido de ‘acenos, e movimentos feitos com a cabeça, ou com os olhos’, Morais regista apenas o sentido de ‘gestos do rosto’, o que parece denotar um processo de restrição semântica, mas não de antiquação. Nestes casos, as alterações registam-se logo em Morais e mantêm-se em Houaiss, o que indica que são datáveis do final do séc. XVIII e se mantêm vivas até aos nossos dias.

49Noutros casos, as alterações registam-se apenas em Houaiss, o que indica serem talvez posteriores à obra de Morais. É o caso de palavras que registavam duas formas, como é o caso de mescabar/menoscabar, por ‘desestimar’, e replenado/repleno, por ‘cheio’, em que Morais regista ainda as duas formas, mas Houaiss apenas a segunda.

50De notar também casos de palavras que desaparecem entre Morais e Houaiss. É o caso de desnacer, por ‘voltar a recolher ao útero’, esparcelado, por ‘mar com bancos de pedra’ (em Houaiss encontra-se, porém, esparcel/parcel), miramento, por ‘atenção’ (em Houaiss encontra-se, porém, mirar), mutra, por ‘sinete’, e referta, por ‘contenda’.

51Finalmente, registam-se ainda, entre Morais e Houaiss, alguns casos de mudança semântica. É o caso de devaneo, por ‘desvanecimento’ e dição, por ‘domínio’, que existem actualmente com significados diversos. Nos casos de genitura, por ‘geração’, e governalho, por ‘leme’, Houaiss anota estas formas apenas já como diacronismos.

TABELA 9

TABELA 9
  • 11 Na referência aos artigos de Houaiss (2001) prescindiu-se dos dados menos relevantes para a compara (...)

Note 1611

52Na verdade, uma observação sistemática da lista de setenta e duas palavras dadas por antiquadas por Freire entre o final do séc. XVII e a redacção das Reflexões, em 1768, permite verificar que todas elas se encontram em Morais, ainda que, em alguns casos, com algumas alterações, e a maior parte delas chega à actualidade, encontrando-se também registadas no dicionário de Houaiss, sendo poucos os casos em que Morais confirma o estatuto de “antiquadas” às palavras elencadas por Freire.

53Como explicar, então, que Freire dê como antiquadas entre o final do séc. XVII e meados do séc. XVIII palavras que Morais, no final do mesmo século, reabilita, permanecendo ainda, na sua maior parte, até à actualidade? A explicação para tal facto, encontramo-la nas notas do editor, Cunha Rivara, a esta Reflexão. Na verdade, Freire escreveu as Reflexões em pleno séc. XVIII (1768), ainda no rescaldo do seiscentismo, e, como faz notar Rivara, aquando da primeira edição da obra, setenta e quatro anos depois, já em pleno século XIX (1842):

Quando o Auctor [Freire] escreveu ainda reinava o demasiado escrupulo dos que entendiam que certos vocabulos não se admittiam em discursos graves, ou em versos sobre serios assumptos. O seiscentismo foi o precursor da decadencia da pura linguagem portugueza: os homens que então metrificavam (e havia uma praga delles, nenhum dos quaes passará á posteridade) limitaram-se ao uso de um certo numero de palavras, que empregavam por conta e medida, apoucaram as formusuras do idioma, cercearam-lhe as galas, diminuiram-lhe o cabedal, com que Fr. Luiz de Sousa, Barros, Vieira, e outros que verdadeiramente podêmos chamar Classicos, ostentaram riquezas, que hoje vão desenterrando, e descobrindo novamente polidas, os poucos que se esmeram em fallar portuguez livre tanto de archaismos como de innovações desnecessarias, abundante em termos genuinos e expressões fecundas e proprias. Nessa epocha de calamidade para a lingua e tambem para o progresso intellectual, as metaphoras violentas suppriam ideas, e meia duzia de palavras sonoras a copia da dicção. […] Pelo que respeita a vozes antiquadas algumas há que o uso dos modernos escriptores tem acreditado, e a propriedade dellas lhes deu cabimento. O bom juizo do nosso Auctor luta com os preconceitos do seu tempo, que tinham desterrado muitos termos expressivos, de cuja supressão se lastima. Veja-se o que diz de – queixume, esquivar, dissidente, feitura, grey, sobrecenho, e outros vocabulos tão necessarios para variar a frase, e que a moda então reputava por antiquados: não duvidamos hoje emprega-los, e assim outros muitos, em que actualmente ninguem faz reparo; por exemplo: - derradeiro, delonga, doestar, atavio, embair, escudar, esmolar. No tempo do seiscentismo de que ainda em vida do Auctor havia ressaibo, proscreveram-se palavras com a estulta distincção de termos prosaicos, ou metricos, e alem disso chamaram velhas ou plebeas a palavras, sem mais sentença do que a tyrannia da moda, que por então imperou no discurso escripto ou pronunciado, como hoje (e sempre) dicta leis no vestuario e nos moveis. Palavra verdadeiramente velha temos nós que é a que foi substituída por uma ou mais palavras de maior euphonia, graça, e força d’expressão, e por isso não convem resuscita-la, principalmente sendo tão obsoleta que hoje careça de traducção. (Freire, 1842, I: 164-165).

54Não seria, pois, este o caso das palavras elencadas por Freire como antiquadas. Na verdade, estas palavras não seriam verdadeiramente “velhas”, no sentido em que o editor das Reflexões usa o termo, mas terão ficado apenas “fora de moda” num período situável entre o final do séc. XVII (depois do Padre António Vieira) e o terceiro quartel do séc. XVIII, uma vez que Freire, em 1768, as considera ainda como antiquadas (injustamente, em muitos casos), tendo, no entanto, sido reabilitadas no decurso dos vinte anos seguintes, uma vez que a obra de Morais, em 1789, as reintegra como palavras autorizadas.

55Muitas destas palavras terão provavelmente sido substituídas por estrangeirismos (Boléo, 1965), sendo posteriormente recuperadas. Importa lembrar aqui que, na época de Freire, se assistia a uma verdadeira contenda, entre puristas, que, rejeitando a importação, defendiam o património lexical oferecido pelos clássicos, e adeptos do empréstimo, que adoptavam sem reservas toda a sorte de estrangeirismos, particularmente galicismos, muitos deles “inovações desnecessárias” que, na época, invadiam a literatura. Esta disputa já é sensível no tempo de Freire, que lhe dedica uma das suas mais interessantes reflexões, e estende-se até meados do séc. XIX.

56Importa esclarecer que nenhum indivíduo conhece todas as variedades sociais, geográficas e estilísticas da língua, motivo por que, em geral, os lexicógrafos incluem nos dicionários fontes diversas, assim como unidades que apenas têm circulação restringida. Com efeito, o lexicógrafo recolhe no dicionário palavras que já não são usadas para, registando-as no inventário, as resgatar do esquecimento ou desconhecimento. Na verdade, nenhum dicionário reflecte apenas a contemporaneidade da língua, já que toda a obra lexicográfica recolhe e classifica a variação passada e actual em função de modelos linguísticos que, em certas épocas, são “escrupulosos”, deixando “fora de moda” muitas unidades.

57Ora, os exemplos acima a permitem concluir que os testemunhos dos lexicógrafos (antigos e modernos) sobre a obsolescência lexical devem ser filtrados e contrastados com testemunhos de outra natureza.

2.4.2. NEOLOGISMOS

58O binómio português-francês é outro dos vectores em que se demora a reflexão linguística setecentista. Ao contrário do binómio português-latim, no qual, dada a relação de filiação de um no outro, o vínculo entre os elementos é natural, a relação entre o português e o francês era analisada como interferência linguística, empréstimo lexical e, inclusive, como neologia. Porém, neste binómio, está em causa não só o galicismo lexical mas sobretudo o galicismo fraseológico e o sintáctico, que motivaram uma ampla discussão entre os intelectuais portugueses (S. Luís, 1824). O termo “francesia”, “galomania” (ou “galiparla”) ridicularizava a imitação despropositada da língua francesa entre meados de Setecentos e meados da centúria seguinte (Teyssier, 1994), período em que o combate ao galicismo servia de bandeira ao nacionalismo linguístico, conforme revelam as palavras de Freire:

Faço esta reflexão, para tornar contra um numero infinito de modernos que, prezando-se mais de francezes que de portuguezes, affectam não usar d’esta figura, e dizem sempre à franceza: Eu vejo, eu pasmo, eu me confundo, etc., em occasiões que não pede, antes reprova, a energia e indole da nossa linguagem (Freire, 1842, I, Reflexão 6ª: 66).

  • 12 Do assunto já se ocupara, entre outros auores, o ortografista Monte Carmelo (1767: 297-298). Dispon (...)
  • 13 Esta Memória académica correspondia aos objectivos do Programa proposto pela Academia Real das Scie (...)

59Além de traduzir a simbiose entre língua e nação, o tópico da língua como emblema da identidade nacional, remontando embora às primeiras produções gramaticais em vernáculo, no século XVI, percorre as obras setecentistas em Portugal (Gonçalves, 1997) e integra-se num programa de restituição da pureza e da vernaculidade à língua e à literatura. Apesar de não ser o primeiro autor a tratar da questão dos galicismos12, Francisco José Freire apresenta uma interessante lista de palavras emprestadas ou decalcadas do francês, algumas das quais voltarão a aparecer no Glossário de Palavras e Frases da Lingua Franceza13, publicado por Fr. Francisco de S. Luís (1766-1845), mais conhecido como Cardeal Saraiva (1824: 1-146). Este Glossário vem a lume justamente na sequência dos textos setecentistas em que, de forma mais ou menos aprofundada, o assunto vinha sendo discutido, ainda que sem o fôlego incutido pelo Cardeal, o que prova quanto a questão era candente entre os intelectuais da época, conforme demonstram as memórias apresentadas por António das Neves Pereira (1792, 1793a, 1793b) à Academia Real das Ciências de Lisboa.

60Quando considerado em geral, o fenómeno de importação lexical afigura-se a Freire, no entanto, como um processo natural, visto responder a necessidades sentidas sobretudo nos domínios técnico e científico (Verdelho, 1998); casos há, contudo, em que a adopção de palavras estrangeiras é escusada por existirem alternativas na própria língua:

Porém os “amantes da pura linguagem Portugueza” queixam-se de se introduzirem termos novos, meramente por moda, e não por precisão, pois que a nossa lingua tinha muitos, e bons, com que se explicava antes que se mendigassem outros ás estranhas para se exprimir o mesmo (Freire, 1842, Parte I, Reflexão 5ª: 61).

61Não era, pois, esta uma situação normal de importação, quer do ponto de vista quantitativo, quer do ponto de vista qualitativo e, neste contexto, as opiniões dividiam-se, regra geral extremadas, porque a situação era extrema, entre os “escrupulosos”, puristas que nada permitiam, e os “indulgentes”, que tudo concediam (Freire, 1842, I, Reflexão 5ª: 62).

62É nesse aspecto que a posição defendida pelo Autor é particularmente interessante, na medida em que, numa época de posições radicais, propõe uma sensata concordância entre os dois extremos. Tal posição, no entanto, não é totalmente original, pois Freire baseia-a na autoridade das grandes Academias nacionais, nomeadamente da Crusca, a prestigiada Academia italiana, fundada em 1583, em Florença, cujo papel na manutenção da pureza da língua italiana é visível no Vocabolario della lingua italiana (1612). Na linha desta, são também mencionados por Freire como modelos a seguir neste assunto Monsieur Fouretière (1619-1688), cujo Dictionnaire Universel contenant generalement tous les mots tant vieu que modernes. & des termes de toutes les Sciences et des Arts, apesar da contenda do autor com a Académie Française (1635), acabaria por sair, postumamente, em 1690, quatro anos antes do da própria Academia, que viria a lume em 1694 e, ainda, as Reais Academias castelhana e francesa, a que poderiam juntar-se as Academias alemã e inglesa, igualmente seguidoras do espírito da Crusca.

63Assim, na esteira destes grandes exemplos de defesa da pureza vernacular, Freire aceita a introdução de empréstimos apenas nos casos onde o Português carece de palavras adequadas e económicas condenando os empréstimos inúteis. Para ilustrar a posição dos “escrupulosos” e “rigoristas”, Freire aponta as palavras ou expressões seguintes:

  • 14 A expressão foi registada por Vieira (1871: 750), definindo-a da seguinte maneira: “Na classificaçã (...)
  • 15 A questão do “bom gosto” também fez parte do ideário linguístico-literário de Freire na Ilustração (...)

Note 1914
Note 20
15

64Para Freire, o processo de importação, sobre ser natural em qualquer língua viva, quando necessário traduz-se num enriquecimento do qual já tinham beneficiado as línguas inglesa e castelhana, por exemplo.

65No entanto, tal como a maioria dos que condenavam a importação de palavras francesas, Freire não parece ter em conta a efemeridade da maior parte dos empréstimos. Por isso, o autor distingue os que permaneceram – galicismos antigos –, já totalmente assimilados, dos de geração recente, muitos dos quais “reprováveis” por serem desnecessários. Dos primeiros, aponta Freire os seguintes, localizados em escritores portugueses antigos: reproche (em Duarte Nunes de Leão), policia (em João de Barros), pedante e pedantesco (em Duarte Nunes de Leão), suplantar (i. e. ‘usar de força ou artificio para tirar a alguem o cargo, ou fortuna que possue’).

66Dentre os segundos, aponta os seguintes como reprováveis:

  • 16 Em Houaiss (2001), “cadete” tem como primeiras acepções “filho não primogênito de uma família nobre (...)
  • 17 Em Morais Silva (1789: 227) a unidade é definida como “oculo de longamira”. Houaiss (2001) não a re (...)
  • 18 Entrou na língua portuguesa através do francês sigisbée, empréstimo do italiano cicisbeo. Segundo H (...)
  • 19 De origem grega (dúscolus), a palavra estará atestada na língua portuguesa desde 1696, significando (...)

Note 2116
Note 22
17
Note 23
18
Note 24
19

  • 20 Morais Silva (1789: 733), que regista “intriga e “intrigante”, ainda não atesta “intrigador”.

67Sempre que existam “termos proprios, que exprimem o mesmo que os outros novamente introduzidos”, condena a introdução destas e de outras palavras (Freire, 1842: 64). A esse lote pertencem algumas das acima indicadas, como abandonar (desamparar), resurce (‘remedio’), discolo (‘malprocedimento’), affares (‘negocio’), intriga, intrigante, intrigador20 (‘enredo, enredar, enredador ou máquina, maquinar, maquinador’), caracter (‘distinctivo’), conducta (‘procedimento, governo, prudência’, etc.).

68Mas a importação de França afecta também a sintaxe. Freire considera, entre outras, condenáveis construções decalcadas do francês como as seguintes:

69Se a luta contra o galicismo fazia parte da “agenda nacionalista” (Diogo, 1996: 46), visto ameaçar a “pureza” da língua (Thielemann, 2001: 69), para Cândido Lusitano “esta [pureza da linguagem] consiste em usar daquelles vocabulos, daquellas frases e idiotismos, que constituem o distinctivo, e indole legitima do idioma em que se escreve” (Freire, 1842, I, Reflexão 1ª: 5), donde colocar-se igualmente a questão da legitimação dos usos, antigos (arcaísmos) ou modernos (plebeísmos e estrangeirismos, sobretudo os galicismos). Tão frequente na terminologia setecentista, o conceito de “idiotismo” remetia para a “perfeição”, sendo que esta decorria, por sua vez, da imitação do modelo dos Auctores classicos. Fruto de idiotismo são construções como “Aborreço a affectação”, em vez de “Aborreçe-me a affectação”, “Esqueceu-me o negocio”, em vez de “Esqueci-me do negocio”, ou “Lembro-me eu”, por “Lembra-me a mim” (Freire, 1842, I, Reflexão 6ª: 70).

70Em contraponto ao uso dos clássicos nacionais, o uso corrente, em especial o do “vulgo ignorante”, era subtraído do modelo linguístico, embora nem os “homens letrados pouco escrupulosos nas propriedades da sua língua” (Freire, 1842, I, Reflexão1 ª: 6) fossem imunes à exclusão, à luz de um filtro purista (Vilela, 1981) por que também passa o “sociolecto culto”. Além da “plebe”, o expurgo atingia ainda uma certa burguesia instruída (Diogo, 1996: 46-51), uma vez que, em Portugal, na segunda metade de Setecentos, se registou a ascensão social da burguesia (Saraiva, 1975: 654), cuja iniciativa no comércio e na indústria foi favorecida pelo consulado pombalino que se propunha, em especial após o terramoto de 1755, renovar o tecido produtivo e diversificar as formas de financiamento do Estado.

71Para identificar o modelo linguístico a seguir pelos escritores, Francisco José Freire ocupa-se demoradamente da definição de autor clássico ou de clássicos nacionais, problemática reveladora da referida parceria ideológica entre língua e nação, associação tanto mais sensível quanto se sabe ser esta uma época em que a expressão linguística estava inequivocamente ao serviço do poder absoluto e esclarecido do Marquês, como se observa na legislação relativa ao ensino (Verdelho, 1982).

  • 21 Estes conceitos continuam a fazer parte da terminologia filológico-linguística reunida no Escholias (...)

72Para Cândido Lusitano (1842, I, Reflexão 1ª: 6), o uso modelar é aquele que “floreceu, e florece entre aquelles que mais se distinguiram na pureza do fallar proprio, genuino, e natural da sua nação”. Os termos legítimo e genuíno enformam o programa linguístico e literário nacional vertido nas Reflexões de Freire, além de fazerem parte dos topói reflexivos do último quartel de Setecentos, como se vê nas Memórias de Literatura Portuguesa da Academia Real das Ciências de Lisboa, publicadas em 1792. Do ponto de vista social, Francisco José Freire opera, como já se viu, a discriminação dos usos “impróprios”, que vão do “povo idiota” aos “letrados”, e destes aos “rigoristas”. Pretensiosos, estes exercem sobre a língua um policiamento próximo do zelo da moral e bons costumes. A tentativa de definição do clássico nacional, vale dizer, do modelo vernáculo da língua e da literatura, recorrente nas Reflexões de Freire, assenta em critérios de natureza retórica, mas também subjectiva. As quatro qualidades enformadoras do bom uso, funcionalizado como norma, são a “propriedade”, a “energia”, a “pureza” e a “abundância”21, acrescidas da “elegância” e da “gravidade”, qualidades das quais depende a identificação dos autores mais ou menos clássicos. A auctoritas (Banza, 2012) destes decorre da análise da presença das referidas qualidades em cada autor (Freire, 1842, Introducção: 1), o que conduz a uma hierarquização dos modelos vernáculos, como se conclui da referência aos “escriptores de inferior classe”, por contraste com os “auctores clássicos”.

  • 22 O termo não aparece propriamente nas Reflexões de Francisco José Freire, embora a posição deste cor (...)

73Amparado na doutrina dos Clássicos, para Freire, a pureza, que é determinada pela “critica judiciosa”, sobrepõe-se a qualquer outra qualidade de um escritor. A sua perspectiva normativa e legitimadora leva-o a propor uma espécie de selecção das espécies linguísticas, quando examina as “palavras antiquadas”, muitas delas ainda hoje acolhidas nos dicionários – veja-se Houaiss (2001) –, e não reservadas, necessariamente, a um uso restrito ou literário. Pretendendo distanciar-se dos “rigoristas”, o autor manifesta, no entanto, um purismo semelhante àquele que critica em contemporâneos seus22. Com efeito, o purismo enforma o ideário linguístico e literário subjacente às Reflexões sobre a Lingua Portugueza: se por um lado Freire pretendia restituir à língua a pureza e o esplendor da época dos “bons auctores” – os “nossos clássicos” –, por outro, procurava libertar a literatura nacional da ganga de artifícios irracionais, como a excessiva figuração retórica, de molde a devolver às palavras o seu rigor primordial.

  • 23 Segundo o autor do Diccionario gramatical portuguez, “o grande uso do galicismo na língua portuguez (...)

74Na base da “decadência” e “corrupção” linguístico-literária, para Cândido Lusitano estavam factores externos e internos: entre os primeiros, incluía a perda da independência entre 1580 e 1640 e, a seguir, a influência cultural francesa, que suscitou várias polémicas (Boisvert, 1983-1985; Gonçalves, 2005) tanto no século XVIII como no seguinte e, ainda, o deficiente ensino da língua materna; entre os segundos factores, estaria o bilinguismo lusocastelhano e a galomania (Passos, 1865: 133)23 ou “francezia” (Vilela, 1982; Gonçalves, 2005).

75Apesar do seu “rigorismo”, Freire era já sensível à inevitabilidade da mudança, neste caso a lexical, operada por empréstimo ou importação de palavras de outras línguas, reservando-se, no entanto, o “juízo” sobre a legitimidade de cada estrangeirismo, aceitando uns, proscrevendo outros, em consonância com o “espírito” purista de Setecentos.

3. NOTA FINAL

76Os tópoi atrás analisados integram-se num contexto ideológico mais amplo – o “iluminismo linguístico” (Vilela 1981, 1982; Gonçalves 2006b) – fruto do império da razão e do espírito neoclássico, de que Freire acaba por ser um interessante testemunho. Para lá dos temas analisados nas secções acima, a obra de Freire é um repositório de muitos outros, não menos relevantes e especiosos para o estudo de fontes (meta) linguísticas de Setecentos, período que, em termos linguísticos, é ainda relativamente pouco estudado.

77Apesar do seu valor, as Reflexões são apenas um exemplo das muitas obras importantes e raras que jazem esquecidas na Biblioteca Pública de Évora, como em muitas outras, e que importa divulgar e estudar, pelo seu valor científico, como fontes para o estudo da História e da Historiografia da Língua Portuguesa, no caso em apreço, mas também como parte da nossa memória linguística e literária, cujo resgate e disponibilização em formato digital é da maior importância social – e daí o relevante papel das Humanidades Digitais –, porque “criar o novo ou sonhar com um futuro de esperança será impossível se se acreditar que cada momento é toda a história […] ou o seu grau zero absoluto” (Catroga, 2001: 35).

Bibliographie

ANSELMO, Artur (1997): Estudos de história do livro. Lisboa: Guimarães Editores.

______ (2002): Livros e mentalidades. Porto: Guimarães Editores.

BANZA, Ana Paula (2011): “As Reflexões (1768) de Francisco José Freire e o Vocabulário (1712-1728) de Bluteau”. In: Mancero Cestera, A. M, Molina Martos, I. e Paredes García, F. eds., La lengua, lugar de encuentro. Actas del XVI Congreso Internacional de Lingüística y Filología de América Latina (ALFAL). Alcalá de Henares, (S5 – Filología y Linguística Histórica), 2485-2494. Disponível em: http://alfal2011.mundoalfal.org/

______ (2012a): “Freire e Vieira: a questão da auctoritas nas Reflexões sobre a Lingua Portugueza, de Francisco José Freire”. Limite - Revista de Estudios Portugueses y de la Lusofonía, n° 6, 103-123. Disponível em: www.revistalimite.es/volumen%206/06banz.pdf.

______(2012b): “Reflexão metalinguística no séc. XVIII: o caso das Reflexões sobre a Língua Portuguesa, de Francisco José Freire”. In: Rolf Kemmler, Barbara Schäfer-Prieß e Roger Schoentag eds., Lusofone Sprachwissenschaftsgeschichte I. Tübingen: Calepinus Verlag, 7-20.

______(2012c): “As Reflexões (1768) de Francisco José Freire e o Vocabulário (1712-1728) de Bluteau”. In: Ana M. Cestero Mancera, Isabel Molina Martos, e Florentino Paredes García eds., La lengua, lugar de encuentro. Actas del XVI Congreso Internacional de la Alfal (Alcalá de Henares, 6-9 de junio de 2011), Alcalá de Henares: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Alcalá. ISBN: 978-84-8138-771-1. Publicación en CD. Disponível em: http://alfal2011.mundoalfal.org/

______ (2013): "Reflexões sobre a ‘Pronunciação’no séc. XVIII português”. In: J. F. Val Álvaro et alii. eds., De la unidad del lenguaje a la diversidad de las lenguas (Actas del X Congreso Internacional de Lingüística General, Universidad de Zaragoza 2012). Zaragoza: Publicaciones de la Universidad, 56-65.

______( no prelo): “A questão do empréstimo nas Reflexões sobre a Língua Portuguesa (1768), de Francisco José Freire”. In: 9. Congresso da Associação Alemã de Lusitanistas. Viena: Universidade de Viena, Setembro de 2011.

BLUTEAU, Rafael (1712-1721): Vocabulario Portuguez & Latino, vol. 1-4, Coimbra, 1712-1713; vol. 5-8, Lisboa, 1716-1721. Disponível em Biblioteca Nacional Digital: http://purl.pt/13969/4/

_____(1727-1728): Supplemento ao Vocabulario Portuguez, e Latino. vol. 1, 1727; vol. 2, Lisboa, 1728. Disponível em Biblioteca Nacional Digital: http://purl.pt/13969/4/

BOISVERT, Georges (1983-1985): “Guerra às palavras afrancesadas!”. Une polemique linguistique dans la presse lisbonnaise en octobre 1812». Bulletin d’Etudes Portugaises et Brésiliennes, 44/45, 243-271.

BOLÉO, Manuel de Paiva (1965): “O problema da importação de palavras e o estudo dos estrangeirismos (em especial dos francesismos) em português”. O Instituto, jornal scientifico e litterario, vol. 127, tomo 2. Coimbra: Imprensa da Universidade, 245-302.

BOUZA-ÁLVAREZ, Fernando (2001): Corre manuscrito: una historia cultural del Siglo de Oro. Madrid: Marcial Pons.

______ (2001-2002): “Cultura escrita e história do livro: a circulação manuscrita nos séculos XVI e XVII”. Leituras – Revista da Biblioteca Nacional, n° 9-10, 63-95.

CAMBRAIA, César Nardelli (2005): Introdução à Crítica Textual. São Paulo: Martins Fontes.

CARDOSO, Simão compil. e org. (1994): Historiografia gramatical (1500-1920). Língua Portuguesa – Autores Portugueses. Porto: Faculdade de Letras do Porto.

CASTRO, Ivo (2007): “Lampadário de palavras”. Edição de Texto. II Congresso Virtual do Departamento de Literaturas Românicas/Textual editing. Second Virtual Congress of the Romance Literature Department, ed. de Ângela Correia e Cristina Sobral. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. [texto inédito]. Disponível em: http://www.clul.ul.pt/files/ivo_castro/2007_Lampadrio_de_palavras.pdf

CATROGA, Fernando (2001): Memória: História e Historiografia. Coimbra: Quarteto.

CID, Isabel (1988): Incunábulos da Biblioteca Pública e Arquivo Distrital de Évora. Évora.

Critique Textuelle Portugaise (1986): Actes du Colloque (Paris, 20-24 Octobre 1981). Paris: Fondation Calouste Gulbenkian/Centre Culturel Portugais.

DE MAN, Paul (1986): “The Return to Philology”. In: The Resistance to Theory. Minneapolis: University of Minnesota Press, 21-26.

DIOGO, Américo Lindeza e Osvaldo Manuel SILVESTRE (1996): Rumo ao português legítimo. Língua e Literatura (1750-1850). Braga: Angelus Novus.

ESPÍRITO SANTO, Arnaldo et alii (2006): Librorum Monimenta. Imagens da cultura eborense (séculos XVI-XVIII) – Catálogo da Exposição Bibliográfica (29 de Julho – 30 de Setembro de 2005). Évora: Biblioteca Pública de Évora.

FIGUEIREDO, António Pereira de (1792): “Espirito da lingua portugueza, estrahido das Décadas do insigne escritor João de Barros”. In: Memorias de Litteratura Portugueza, T. III. Lisboa: na Typographia da mesma Academia, 111-226.

FREIRE, Francisco José (1768): Reflexões Sobre a Lingua Portugueza, Escriptas por Francisco Joze Freire da Cong. m do Oratorio de Lisboa em 1768, Manuscrito: Biblioteca Pública de Évora, Cod. CXIII/2-1.

______(1842): Reflexões sobre a língua portuguesa. Lisboa: Typ. Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis. Disponível em Biblioteca Nacional Digital: http://purl.pt/135/2/;InternetArchive:https://archive.org/details/reflexessobreal02freigoog

______ (1863): Reflexões sobre a língua portuguesa, 2ª ed. Lisboa: Typographia do Panorama. Disponível em Google Books: http://books.google.com.br/books?id=axQTAAAAYAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

GONÇALVES, Maria Filomena (2001): “Aspectos da história e da historiografia da língua portuguesa na época pombalina”. In: Werner Thielemann ed., Século XVIII: Século das Luzes – Século de Pombal. Biblioteca Luso-Brasileira, 21. Frankfurt am Main: TFM, 11-31.

______ (2002): “Da «francezia» ou o problema das palavras afrancesadas no século XVIII: as ideias de António das Neves Pereira. Estudios Portugueses, 5. Salamanca, 45-62.

______(2003a): “As Reflexões sobre a Lingua Portugueza (1773/1842) no contexto das ideias linguísticas do século XVIII. In: Francisco Sánchez Miret ed., Actas del XXIII Congreso Internacional de Lingüística y Filología Románica (Salamanca, 24-30 septiembre 2001), vol. V, Sección 8. Tübingen: Max Niemeyer Verlag, 181-189.

______ (2003b): As ideias ortográficas em Portugal: de Madureira Feijó a Gonçalves Viana (1734-1911). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia.

______ (2006a): “As ideias pedagógicas e linguísticas de António Pereira de Figueiredo: os manuscritos autógrafos da Biblioteca Pública de Évora”. In: Werner Thielemann ed., Século das Luzes. Portugal e Espanha, o Brasil e a região do Rio da Prata. Frankfurt am Main: TFM, 133-152.

______ (2006b): “Iluminismo e pensamento linguístico em Portugal: o exemplo das gramáticas filosóficas”. In: VII Congrés de Lingüística General (Barcelona, 18 al 21 d’abril de 2006). Barcelona: Universitat de Barcelona, 18pp. CDRom.

______ (2007a): " Recreação filológico-linguística com a geração de Cenáculo ". Revista de Letras, n° 6, Série II, Dezembro. UTAD/Departamento de Letras/CEL, 37-51.

______ (2007b): “A variação lexical no discurso metalinguístico de Setecentos: apontamentos sobre o arcaísmo”. In: Clotilde de A. A. Murakawa e Maria Filomena Gonçalves orgs., Novas contribuições para História e Historiografia da Língua Portuguesa, col. Trilhas Linguísticas, vol. 11. São Paulo/Araraquara: Cultura Acadêmica Editora/Laboratório Editorial da FCL, 45-73.

______ (2013): “As Reflexões sobre a Lingua Portugueza y la variación léxica en el siglo XVIII”. In: J. F. Val Álvaro et alii. eds., De la unidad del lenguaje a la diversidad de las lenguas (Actas del X Congreso Internacional de Lingüística General, Universidad de Zaragoza 2012). Zaragoza: Publicaciones de la Universidad, 347-354.

______ (no prelo): "Do familiar, cómico e jocoso no português setecentista: o exemplo das Reflexões sobre a Lingua Portugueza (1842 [1768]), de Francisco José Freire (1719-1773)". In: A. Marcos de Dios ed., La Lengua Portuguesa. Salamanca: Publicaciones de la Universidad de Salamanca.

GONÇALVES, Maria Filomena e Ana Paula BANZA (2007): “Património, Língua e Cultura: contributos da Biblioteca Pública de Évora para a Memória (Meta) linguística”. Revista de Letras. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro/Departamento de Letras: Centro de Estudos em Letras, Série II, n° 6, 53-71. Disponível em: http://www.utad.pt/vPT/Area2/investigar/CEL/Research/RevistadeLetras/Documents/revista06%20%282007%29_capa%20exterior-final.pdf

HAENSCH, G., L. WOLF, S. ETTINGER & R. WERNER (1982): La lexicografía: De la lingüística teórica a la lexicografía práctica. Madrid: Editorial Gredos.

HOUAISS, António (2001): Dicionário Eletrônico da Língua Portuguesa. 2.1. Rio de Janeiro: Instituto de Lexicografia António Houaiss, CDRom.

LISBOA, João Luís, Tiago MIRANDA & Fernanda OLIVAL (2002): As Gazetas Manuscritas da Biblioteca Pública de Évora. Vol. 1 (1729-1731). Lisboa: Colibri/CIDEHUS-UE/CHC-UNL.

______ (2005): As Gazetas Manuscritas da Biblioteca Pública de Évora. Vol. 2 (1732-1734). Lisboa: Colibri/CIDEHUS-UE/CHC-UNL.

MARQUILHAS, Rita (2010): “Filologia”. In: Carlos Ceia ed., E-Dicionário de termos literários. Disponível em: http://www.edtl.com.pt/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=200&Itemid=2

MENÉNDEZ, Fernanda Miranda (1997): A «construção do discurso» setecentista. Dos processos discursivos à história da língua. Universidade Nova de Lisboa/FCSH. Dissertação de Doutoramento em Linguística – Análise do Discurso [texto policopiado].

MONTE, Gil do (1968): Subsídios para a História da Tipografia em Évora nos Séculos XVI a XVIII, n° 96, 102, 277, 272, 384, 395 e 402. Évora.

MONTE CARMELO, Fr. Luís do (1767): Compendio de Orthographia [...]. Lisboa: Officina de Antonio Rodrigues Galhardo

NETO, António M. de A (1884-1885): Escholiaste Portuguez ou Subsidios Litterarios grammaticaes, philologicos e rhetoricos compliados dos melhores auctores e divididos em tres partes accommodadas ao estudo elementar e complementar da Lingua Portugueza (1ª, 2ª e 3ª Partes). Lisboa: Typographia Universal.

PASSOS, J. A. (1865): Diccionario Gramatical Portuguez. Rio de Janeiro.

PEREIRA, António das Neves (1792): “Ensaio critico sobre qual seja o uso prudente das palavras de que se servíraõ os nossos bons Escritores do Seculo XV e XVI; e deixáraõ esquecer os que depois a seguíraõ até ao presente”. In: Memorias de Litteratura Portugueza da Academia Real das Sciencias de Lisboa, t. IV. Lisboa: na Typografia da mesma Academia, 339-467.

______ (1793a): “Continuaçaõ do Ensaio Critico, sobre qual seja o uso prudente das palavras, de que se servíraõ os nossos bons Escritores do Seculo XV, e XVI; e deixáraõ esquecer os que depois se seguíraõ até ao presente”. In Memorias de Litteratura Portugueza da Academia Real das Sciencias de Lisboa, t. V. Lisboa: na Typographia da mesma Academia, 152-252.

______ (1793b): “Ensaio sobre a Filologia Portuguesa por meio do exame e comparaçaõ da Locuçaõ e Estilo dos nossos mais insignes Poetas, que florescêraõ no seculo XVI”. In: Memorias de Litteratura Portugueza da Academia Real das Sciencias de Lisboa, t. V. Lisboa: na Typographia da mesma Academia, 1-151.

PRISTA, Luís e Cristina ALBINO (1996): Filólogos portugueses entre 1868 e 1943 (Catálogo da Exposição Organizada para o XI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Faculdade de Letras, 1995). Lisboa: Colibri/Associação Portuguesa de Linguística.

RIVARA, Heliodoro da Cunha (1850): Catálogo dos manuscriptos da Biblioteca Pública Eborense ordenado com a descripções pelo bibliotecário […], t. 2. Lisboa: Imprensa Nacional.

______ (1868-1871): Catálogo dos manuscriptos da Biblioteca Pública Eborense ordenado com a descripções pelo bibliotecário […] e com outras próprias por Joaquim António de Sousa Telles de Matos, tomos, II, III, IV. Lisboa: Imprensa Nacional. Disponível em: http://purl.pt/819

RUAS, João coord. (2005): Tesouros da Biblioteca Pública de Évora: Bicentenário 1805-2005. Lisboa: INAPA.

S. LUÍS, Fr. Francisco (Cardeal Saraiva) (1824): “Glossario das Palavras e Frases da Lingua Franceza, que por descuido, ignorancia, ou necessidade se tem introduzido na Locução Portugueza moderna; com juizo critico das que são adoptaveis nella”. In: Memorias de Litteratura Portugueza, t. 4. Lisboa: Academia Real das Sciencias, 1-146.

Disponível em: http://www.archive.org/stream/glossariodaspala00sluiuoft#page/n5/mode/2up

SILVA, Innocencio Francisco da (1858-1923): Diccionario Bibliographico Portuguez, 23 vols. Lisboa: Imprensa Nacional.

SILVA, António de Moraes ([1813]1 1789): Diccionario da Lingua Portugueza recopilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antonio de Moraes Silva. Lisboa: Typographia Lacerdina. Disponível em: http://www.brasiliana.usp.br/dicionario

______ (1922 [2 1813]): Diccionario da lingua portugueza. Por Antônio de Moraes Silva. 2 vols. Edição comemorativa do primeiro centenário da Independência do Brasil. Photographada pela “Revista de Língua Portuguesa” sob direcção de Laudelino Freire. Rio de Janeiro: Officina da S. A. Litho-Typographia Fluminense.

SILVESTRE, João Paulo (2008): Bluteau e as Origens da Lexicografia Moderna. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

_______ (2013): A Língua Iluminada. Antologia do Vocabulário de Rafael Bluteau. Fontes – BNP. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal/Babel.

SPAGGIARI, Barbara e Maurizio PERUGI (2004): Fundamentos da Crítica Textual (História. Metodologia. Exercícios.). Rio de Janeiro: Editora Lucerna.

SPINA, Segismundo (1977): Introdução à Edótica. São Paulo: Editora Cultrix.

THIELEMANN, Werner (2001): “Língua culta – Palavras antiquadas – Plebeísmos. A linguagem e a sociedade portuguesa na época o Marquês de Pombal”. In: Werner Thielemann ed., Século XVIII: Século das Luzes – Século de Pombal. Frankfurt am Main: TMF, 50-97

______ (2007): “Uso e pureza em tratados metalinguísticos sobre o Português nos século XVII e XVIII”. Revista Investigações (Linguística e Teoria Literária), vol. 20, n° 2 Julho, 28-152. Disponível em: http://www.revistainvestigacoes.com.br/Volumes/Vol.20.N.2_2007_ARTIGOSWEB/WernerThielemann_USO-E-PUREZA-EM-TRATADOS-METALINGUISTICOS_Vol20-N2_Art08.pdf

VASCONCELOS, José Leite de (2 1929 [1888]): “Filologia Portuguesa – Esbôço Histórico”. In: Opúsculos – Filologia (Parte II), vol. IV. Coimbra: Imprensa da Universidade, 841-919.

VAZ, Francisco A. Lourenço & José António CALIXTO (2006): Frei Manuel do Cenáculo, construtor de bibliotecas. Casal de Cambra: Caleidoscópio.

VERDELHO, Telmo (1982): “Historiografia linguística e reforma do ensino. A propósito de três centenários: Manuel Álvares, Bento Pereira e Marquês de Pombal”. Brigatia, vol. II, n° 4 (Out. -Dez.), 347-356. Disponível em: http://clp.dlc.ua.pt/Publicacoes/Historiografia_linguistica_memoria_ensino.pdf

______ (1995): As Origens da Gramaticografia e da Lexicografia Latino-Portuguesas. Aveiro: Instituto Nacional de Investigação Científica.

______ (1998): “Terminologias na língua portuguesa. Perspectiva diacrónica. In: Jenny Brumme ed., La història deles llenguatges iberoromànics d’éspecialitat (segles XVII-XIX): solucions per al present. Barcelona: Universitat Pompeu Fabra/Institut Universitari de Lingüística Aplicada, 98-131.

______ (2004): “Dicionários: testemunhos da memória linguística”. In: Ana Maria Brito, Olívia Figueiredo e Clara Barros orgs., Linguística Histórica e História da Língua Portuguesa (Actas do Encontro de Homenagem a Maria Helena Paiva). Porto: Faculdade de Letras/Secção de Linguística do Departamento de Estudos Portugueses e de Estudos Românicos, 413-427.

VERDELHO, Telmo e João Paulo SILVESTRE org. (2007): Dicionarística Portuguesa. Inventariação e estudo do património lexicográfico. Col. Theoria Poesis Praxis. Universidade de Aveiro.

VIEIRA, Fr. Domingos (1871-1874): Grande Diccionario Portuguez ou Thesouro da Lingua Portugueza, 5 vols. Porto: Em Casa dos Editores Ernesto Chardron e Bartholomeu H. de Moraes.

VILELA, Mário (1981): “A «norma» purista no século XVIII (com base num exemplo). Revista de História, vol. IV, 49-61.

VILELA, Mário (1982): “A ilustração na teoria linguística do Cardeal Saraiva”. Boletim de Filologia, t. XXVII, 411-425.

Annexes

ANEXO 1

Retrato de Freire

Retrato de Freire

ANEXO 2

Reflexões, manuscrito (BPE, Cód. CXIII/2-1) e impresso

Imagem 1 – Portada das Reflexões

Imagem 1 – Portada das Reflexões

Imagem 2 – Introdução “Ao escritor Principiante” (Primeira Parte)

Imagem 2 – Introdução “Ao escritor Principiante” (Primeira Parte)

Imagem 3 – Reflexão 2ª (Primeira Parte)

Imagem 3 – Reflexão 2ª (Primeira Parte)

Imagem 4 – Reflexão 3ª (Primeira Parte)

Imagem 4 – Reflexão 3ª (Primeira Parte)

Imagem 5 – Folha de rosto das Reflexões, 2ª edição (1863)

Imagem 5 – Folha de rosto das Reflexões, 2ª edição (1863)

Notes

1 A BPE já disponibiliza on line quer este Catálogo, quer outros, de manuscritos e de impressos, o que constitui, sem dúvida, um importante avanço na abertura desta biblioteca à globalização dos seus acervos. Cf. http://www.evora.net/bpe/Catalogos/Catalogos.htm

2 Pelas relações com a Universidade de Évora, é de realçar o “[…] espólio herdado da produção universitária dos séculos XVI-XVIII, rica em livros impressos, em obras manuscritas, em lições de todas as matérias […] em apontamentos tomados pelos alunos, em ensaios científicos, em criações literárias, em registos históricos, em planos de obras e em relatórios de despesas” (Espírito Santo, 2006: 7).

3 Cf. ANEXO 1.

4 A obra teve outras edições em 1746, 1787, 1815 e 1849. Da 1ª parece ter existido uma reimpressão, no mesmo ano (1746); outro tanto se observa acerca da edição de 1787.

5 Além de promover a edição de várias obras inéditas, esta Sociedade fundou O Panorama (1837-1844), um dos mais importantes periódicos da primeira metade do século XIX, no qual, entre outros escritores, colaboraram Alexandre Herculano, Garrett, Castilho e Camilo. Neste periódico foram divulgadas muitas novidades literárias, científicas e também linguísticas.

6 Esta edição encontra-se disponível on line, na Biblioteca Nacional Digital (Memórias - Língua), no seguinte endereço: http://purl.pt/135. A obra localiza-se, ainda, em outro endereço: http://archive.org/details/reflexessobreal00freigoog.

7 Importa salientar que as Partes das Reflexões saíram em fascículos diferentes, depois reunidos num só volume, motivo por que cada Parte tem paginação autónoma. A obra de Freire registou uma 2 ª edição em 1863, impressa em Lisboa na Tipografia do Panorama (Cf. Anexo 2, imagem 5).

8 Intitula-se Em que recommendando-se o falar com toda a propriedade se oferece um Catalogo de termos proprios, cujo legitimo uso frequentemente se perverte (Freire, 1842: I, Reflexão 7ª: 70).

9 Cf. Introducção ao escriptor principiante (Freire, 1842, I: 1-4).

10 É de notar que algumas destas unidades serão talvez empréstimos castelhanos. Veja-se o exemplo de “alpargata” (do árab. hisp. al-parga, segundo A. G. Cunha, 1994) que, com as formas “alparcata” e “alpargate” (Cunha, 1994: 35), se regista, em português, no século XVII. Por sua vez, Houaiss regista as formas “alpergata” (1595), “alpargata” (1685) e “alpercata” (1899).

11 Na referência aos artigos de Houaiss (2001) prescindiu-se dos dados menos relevantes para a comparação com os de Freire.

12 Do assunto já se ocupara, entre outros auores, o ortografista Monte Carmelo (1767: 297-298). Disponível em: http://purl.pt/9

13 Esta Memória académica correspondia aos objectivos do Programa proposto pela Academia Real das Sciencias de Lisboa para o ano de 1810. Disponível em: http://www.archive.org/stream/glossariodaspala00sluiuoft#page/n5/mode/2up

14 A expressão foi registada por Vieira (1871: 750), definindo-a da seguinte maneira: “Na classificação dos conhecimentos humanos, dá se este nome áquella parte da literatura em que o bello é o principal carcacter, como a Poesia, a Eloquencia, a arte Dramatica, a Historia”. Houaiss (2001) também regista a expressão; porém, sem apontar uma origem, nem uma datação.

15 A questão do “bom gosto” também fez parte do ideário linguístico-literário de Freire na Ilustração Crítica (1751: 9): “Este bom gosto he hum nome, que appareceo em os nossos tempos, e parece hum nome vagabundo, sem ter patria certa”. Além disso, o bom gosto consistia em “toda aquella boa ordem e disposição, que pede a materia, debuxando-a com uma natural graça, e precisa exacção, dando-lhe aqueles ultimos toques, que fazem o composto não só delicado, mas vivo” (Freire, 1851: 9).

16 Em Houaiss (2001), “cadete” tem como primeiras acepções “filho não primogênito de uma família nobre ou considerada de boa estirpe” e, “por extensão de sentido. filho não primogênito; filho segundo em geral”. A terceira acepção da palavra remete para o domínio militar “Rubrica: termo militar. Diacronismo: obsoleto. jovem de família nobre, incorporado ao exército (esp. na cavalaria e infantaria) na qualidade de aprendiz das artes da guerra e do ofício de guerreiro e que, como soldado, gozava de certos privilégios e regalias e ascendia diretamente ao oficialato sem passar pelos postos inferiores”, passando depois a denominar “aquele que é aspirante a escola militar superior do Exército, da Marinha ou da Aeronáutica” ou, ainda no domínio militar, “aquele que cursa o último ano de uma escola desse tipo e está em via de se tornar aspirante a oficial” (Houaiss, 2001).

17 Em Morais Silva (1789: 227) a unidade é definida como “oculo de longamira”. Houaiss (2001) não a regista.

18 Entrou na língua portuguesa através do francês sigisbée, empréstimo do italiano cicisbeo. Segundo Houaiss (2001), a primeira atestação portuguesa remonta a 1727, no Supplemento ao Vocabulario Portuguez e Latino, de D. Rafael Bluteau. Sigisbéu também consta da nomenclatura de Houaiss.

19 De origem grega (dúscolus), a palavra estará atestada na língua portuguesa desde 1696, significando “que ou quem é mal-educado, sem polidez”.

20 Morais Silva (1789: 733), que regista “intriga e “intrigante”, ainda não atesta “intrigador”.

21 Estes conceitos continuam a fazer parte da terminologia filológico-linguística reunida no Escholiaste Portuguez (Neto, 1884: 493, 222, 498), o primeiro dicionário do género publicado em Portugal. No entanto, em 1865, já havia sido publicado, no Rio de Janeiro, o Diccionario Grammatical Portuguez de J. A. Passos.

22 O termo não aparece propriamente nas Reflexões de Francisco José Freire, embora a posição deste corresponda por vezes ao perfil do purista. Em Oitocentos, segundo Neto (1884: 498), o “purismo” é definido como: “o defeito d’aquele que affecta muito a pureza da linguagem, ou que procura mui escupulosamente no estylo; é como o rigorismo na moral”. Já o purista é “aquella pessoa que presume de escrever e fallar puramente; dedica-se a não empregar expressões convenientes, phrases conformes com as regras da syntaxe, affectando de tal modo a pureza na linguagem, que se exprime sempre em phrase ridicula ou friamente correcta, de que gosta de fazer alarde” (Neto, 1884: 498-499).

23 Segundo o autor do Diccionario gramatical portuguez, “o grande uso do galicismo na língua portugueza já foi moda, com que o deplorável máo gosto de muitos nacionais a iam tornando em gallolusa linguagem, indigna de um povo que tem a felicidade de possuir um dos mais belos idiomas modernos, tão amado das Musas, e onde não é sem orgulho que temos no original uma das mais sublimes e maravilhosas producções que que ellas hão inspirado, o poema Lusiadas” (Passos, 1865: 133).

Table des illustrations

Titre TABELA 1
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre TABELA 2
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre TABELA 3
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre TABELA 4
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre TABELA 5
Légende Note 138
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre TABELA 6
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 208k
Titre TABELA 7
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre TABELA 8
Légende Note 1510
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre TABELA 9
Légende Note 1611
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 320k
Titre TABELA 10
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Légende Note 1914Note 2015
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre TABELA 11
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Légende Note 2116Note 2217Note 2318Note 2419
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre TABELA 12
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Retrato de Freire
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Imagem 1 – Portada das Reflexões
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Imagem 2 – Introdução “Ao escritor Principiante” (Primeira Parte)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Imagem 3 – Reflexão 2ª (Primeira Parte)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Imagem 4 – Reflexão 3ª (Primeira Parte)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Imagem 5 – Folha de rosto das Reflexões, 2ª edição (1863)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1088/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 95k

Auteurs

Docente e investigadora do Departamento de Linguística e Literaturas da Universidade de Évora. Doutorada em Linguística Portuguesa e Agregada em História da Língua Portuguesa e Historiografia Linguística. Membro do CIDEHUS-UÉ. mfg@uevora.pt

Docente e investigadora do Departamento de Linguística e Literaturas da Universidade de Évora. Doutorada em História da Língua Portuguesa. Membro do CIDEHUS-UÉ. anabanza@uevora.pt

© Publicações do Cidehus, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Lire

Open access

Acheter

Volume papier

Chargement

Unavailable