Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Património Textual e Humanidades Digitais

 | 
Maria Filomena Gonçalves
, 
Ana Paula Banza

A Prosódia manuscrita da Biblioteca Pública de Évora (BPE-CXIII-2-26)

Um elo perdido na tradição lexicográfica portuguesa

João Paulo Silvestre

Texte intégral

1A Biblioteca Pública de Évora conserva um precioso manuscrito que, só pelo título, mereceu o estatuto de “monumento” da língua portuguesa e da lexicografia jesuíta. No Catalogo dos manuscriptos, Cunha Rivara descreve um “Exemplar para uma nova edição da Prosódia de Bento Pereira, que não se chegou a publicar”. A tradição constituiu-se reverencialmente a partir do comentário do bibliófilo: “É provável que este seja o exemplar revisto e correcto pelo Padre Pedro Caeiro, cujas primeiras folhas se chegaram a imprimir em Évora” (Rivara, 1870: II, 9).

  • 1 Silvestre (2011).

2Quando consultei o códice pela primeira vez, em 2008, preparava um roteiro de dicionários manuscritos de língua portuguesa1. Nesse contexto, estava mais cativado pela forma do objecto, do que pelo seu conteúdo: a análise da configuração material dos manuscritos, indícios sobre a técnica lexicográfica e o processo de compilação, a diversidade de mãos enquanto testemunho da dimensão da equipa de trabalho e das fases de redacção e cópia, a regularidade do traço, o aproveitamento do papel, a observância do pautado e outras características que permitiam avaliar a habilidade escritural dos intervenientes.

3A descrição da folha de rosto era congruente com a hipótese de Rivara:

Prozodia ou Vocabulario das Lingoas Latina e Portugueza. Composta pelo padre Dr. Bento Pereira da Companhia de Jesus. Novamente reformada, reduzida a melhor methodo, e augmentada com innumeraveis modos de fallar dos Authores Classicos, traduzidos na nossa Lingoa, e necessarios para a intelligencia da Latina. Dividida em dois Alphabetos. O primeiro contem somente as palavras rigorozamente latinas, e uzadas pelos Authores da primeira e da segunda classe, para uzo e segurança dos que pertendem fallar, e escrever com pureza a Lingoa Latina. O segundo comprehende todas as palavras latinas barbaras de que uzaram quaesquer authores que escreveram na Lingoa Latina desde o Seculo Argenteo da mesma lingoa athe o nosso.

Obra utilissima, e necessaria a todos os que versão Livros Latinos de Letras Sagradas, e profanas, Theologos, Juristas, Filosofos, Medicos e Geografos e a todos os que dezejão ser eruditos.
Offerecida ao Serenissimo Senhor D. Pedro, Infante de Portugal, pelo Collegio e Universidade de Evora.

4Mas esta certeza inicial não resistiu às primeiras leituras. Revelam-se artigos extensos, documentados com abundantes citações de autores clássicos, pontuados com informação de tipo enciclopédico. Não podia ser este o substituto da Prosódia, pelo menos do dicionário que era usado assiduamente por milhares de alunos nos colégios dos jesuítas, como esteio essencial da aprendizagem do vocabulário latino e apoio da escrita.

5Na verdade, o códice representa uma fase, até hoje não noticiada, de um longo processo de revisão, reescrita e reformulação da Prosódia. Trata-se de um testemunho original da evolução da técnica dicionarística e das orientações teóricas dos lexicógrafos jesuítas, pois são assinaláveis as diferenças entre o material compendiado neste manuscrito e um outro trabalho, esse sim da responsabilidade do Pe. Caeiro, e que viria a ser parcialmente impresso. Os jesuítas tinham preparado outro trabalho, tipologicamente diferente e desconhecido pela historiografia linguística.

1. ENSINAR A TRADIÇÃO

6O ensino da gramática – entendendo-se por gramática a língua latina e a escrita do português – tinha por referência as práticas dos colégios dos jesuítas. A proficiência do método em muito se devia à criação de uma série de instrumentos metalinguísticos, que vinham sendo compilados a partir de meados do século XVI, e que garantiam uma sólida unidade metodológica.

7Neste ecossistema pedagógico, os manuais em uso cobriam as principais áreas do saber linguístico – lexicografia, gramática, retórica, ortografia – numa rede intertextual de mútuas autorizações. A gramática justifica o dicionário, o dicionário justifica uma norma ortográfica; norma essa que, por sua vez, é aplicada na composição de novos textos gramaticais.

8Até ao final do século XVII, o saber metalinguístico latino-português tinha por referência as seguintes obras:

  • 1572 – Manuel Álvares, De institutione Grammatica libri tres

  • 1634 – Bento Pereira, Prosodia in vocabularium trilingue

  • 1647 – Bento Pereira, Thesouro da lingua portugueza

  • 1666 – Bento Pereira, Regras geraes, breves e comprehensivas da melhor orthographia, com que se podem evitar erros no escrever da lingua latina e portugueza, para se ajuntar á Prosodia

  • 2 Para uma síntese do percurso editorial da Prosódia, cf. os estudos de T. Verdelho (1982, 1993) e, m (...)

9No caso específico da Prosódia, o dicionário português-latim sofreu poucas alterações desde a edição de 1634, e o latim-português apenas conheceu uma ampliação em 1697. Em geral, privilegiavam a informações sobre o latim e mantinham inúmeras incoerências e insuficiências na descrição do português2.

10O movimento ideológico, político e legislativo que consagrará a autonomização do ensino do português é uma revolução pombalina, mas que tem a sua origem no início do século XVIII. A polarização de um grupo de autores eruditos em torno da corte, a constituição de academias literárias com preocupações filológicas, a publicação de textos historiográficos e linguísticos por autores da Academia de História, um mecenato cultural de D. João V que se consolida progressivamente até à década de 40 são o contexto para a codificação e instituição de uma “língua de corte”, em que se reconhece uma norma culta para o português. É um importante facto sociolinguístico: pela primeira vez identificam-se a língua da corte e a língua da nação.

11Esta língua é descrita e codificada por um novo conjunto de obras metalinguísticas, devidas a autores da esfera da corte e ligados ao ensino particular de nobres:

  • 1712 – Rafael Bluteau, Vocabulario Portuguez e Latino.

  • 1721 – Jerónimo Contador de Argote, Regras da lingua portugueza, Espelho da lingua Latina, ou Disposiçam Para facilitar o ensino da lingua Latina pelas regras da Portugueza.

  • 1722 – Manuel de Andrade de Figueiredo, Nova Escola para aprender a ler, escrever, e contar

  • 1736 – Luís Caetano de Lima, Ortografia da língua portuguesa

12Inicia-se uma progressiva distinção em relação aos métodos das escolas jesuítas, sobretudo no que respeita ao espaço dedicado à aprendizagem e aperfeiçoamento do português. Mesmo que as críticas não sejam explícitas, demonstram que a descrição da língua dos dicionários jesuítas era desatualizada e não representavam os parâmetros da língua da corte, no uso, no léxico e na ortografia.

13No seu conjunto, o dicionário de Bluteau e os textos da Academia configuram uma norma do “Estado”, sem que os textos metalinguísticos e pedagógicos dos jesuítas dêem provas de quererem reflectir essa modificação.

14As etapas seguintes no processo de crítica dos métodos e instrumentos linguísticos dos jesuítas estão amplamente documentadas e têm como principais intervenientes António Vernei e António Pereira de Figueiredo, que apontam distorções filológicas que os tornavam inadequados para um renovado ensino do latim. Mas será um erro de julgamento considerar que os jesuítas não tinham consciência dessa obsolescência e que não tentavam produzir novos materiais. O códice BPE-CXIII-2-26 demonstra não só que essa consciência existia entre os lexicógrafos jesuítas e se esforçaram por modernizar os materiais de ensino e estudo da latinidade.

2. NOS OMBROS DE GIGANTES: A TRADUÇÃO DOS DICIONÁRIOS DE DANET E FACCIOLATI

15Neste capítulo permito-me retomar algumas informações sobre as características materiais e a descrição lexicográfica do códice, recentemente publicadas num artigo em coautoria com Ana Margarida Borges (Silvestre, Borges 2012).

16O texto reunido no códice BPE-CXIII-2-26 corresponde a várias fases de redacção e revisão iniciadas bem antes da data de edição da última Prosódia (1750). O compilador procurou conferir uma ordenação alfabética a todo este material, que inclui cadernos redigidos por rever, cadernos revistos com anotações marginais e linhas canceladas, e cadernos que resultam de cópias do texto revisto.

17Estão presentes dois tipos de numeração: uma da mão dos respectivos redatores, que identifica as sequências de cadernos que tratam de uma determinada letra do alfabeto; uma posterior, efectuada pelo organizador do conjunto, que numerou as folhas de 1 a 1536.

18O manuscrito não fornece indicações precisas que permitam identificar os redactores. Resta apenas uma anotação, apensa após a folha de rosto, e que é numerada como fólio 2. O apontamento, intitulado “cadernos trasladados”, indica apenas quatro nomes de responsáveis pela cópia final de determinadas sequências (Pe. Cordeiro, parte da letra A; Pe. Saraiva, parte da letra H; Furtado, parte da letra C e Pe. Leitão, parte da letra D), que, pela técnica lexicográfica e pelas fontes, se devem situar na primeira geração de redactores. No códice não se encontra testemunho de grande parte do trabalho do período inicial, faltando, por exemplo, os cadernos que na lista de trasladados são atribuídos ao Pe. Cordeiro (início da letra A até Aedes).

19A identificação e distinção das diversas mãos presentes ao longo do códice revela-se uma tarefa complexa, pois consoante os textos são rascunho, cópia ou correcção, o esmero caligráfico é distinto. Não é de excluir que a mesma mão seja responsável pela primeira redacção e pela sua versão trasladada. Apenas são claramente distintas as mãos dos revisores. No total, identificam-se com alguma segurança pelo menos dez mãos.

20O material reunido neste códice corresponde a várias fases de redacção e revisão iniciadas bem antes da data de edição da última Prosódia (1750). O compilador procurou conferir uma ordenação alfabética a todo este material, que inclui cadernos redigidos por rever, cadernos revistos com anotações marginais e linhas canceladas, e cadernos que resultam de cópias do texto revisto.

21Estão presentes dois tipos de numeração: uma da mão dos respectivos redactores, que identifica as sequências de cadernos que tratam de uma determinada letra do alfabeto; uma posterior, efectuada pelo organizador do conjunto, que numerou as folhas de 1 a 1536.

22Na folha de rosto prometem-se dois alfabetos, ou seja, uma diferenciação das palavras bárbaras. A dupla indexação seria um expediente para renovar filologicamente a nomenclatura do dicionário, sem perturbar a continuidade de uma tradição lexicográfica e didáctica de mais de um século. Todavia, tudo indica que os redactores rapidamente optaram por uma modernização definitiva da nomenclatura. No códice apenas resta um caderno de palavras bárbaras (AB-ALO) e não há indícios de que o segundo alfabeto tenha sido elaborado para todas as letras. Esta nova distinção de palavras da boa latinidade parece reproduzir a nomenclatura do Magnum dictionarium de Pierre Danet, que recorria estritamente aos autores clássicos latinos.

  • 3 Radices seu Dictionarium linguae Latinae (1677), Dictionarium nouum latinum et gallicum (1680), Nou (...)

23O texto dos cadernos com datação mais antiga, estabelecida a partir da lista de cadernos trasladados, corresponde a uma tradução quase ao pé da letra do Magnum dictionarium latinum et gallicum, o último e mais elaborado de uma série de dicionários que Pierre Danet (c. 1650-1709) compusera em França ad usum Delphini3. Além de ser um modelo prestigiante – um dicionário pensado para a educação da nobreza – correspondia a uma lexicografia latina autorizada e documentada que Bluteau recentemente inaugurara em Portugal, e que teria, no entender dos jesuítas, condições de recepção para ser aperfeiçoada e ampliada.

24A tradução reproduz o alargamento sinonímico, a abundância de exemplos e citações, a delimitação de usos metafóricos, mas também dados enciclopédicos, literários e de erudição clássica. Em comparação com a Prosódia de 1750, representa uma profunda alteração do texto dicionarístico, com uma reestruturação dos artigos, mais rigor na divisão das acepções, introdução de exemplos de estruturas latinas e de extensas citações de autores clássicos.

Manuscrito
Candeo, es, ui/sem sup./ere. Catul. Hor. Estar branco com huma alvura resplandecente, como a neve e a marmore. ¶ Item. Estar todo feito fogo, como o ferro na fragoa, que parece branco.
Magnum Dictionnarium
CANDEO, candes, candui, candere. Catul. Hor. Estre blanc d’un blanc brillant comme la neige et le marbre.
CANDEO. Ovid. Estre tout en feu comme le feu dans la forge qui paroit blanc.

25O facto de o códice ser composto por cadernos em diferentes fases de redacção e revisão dá testemunho do uso das fontes dicionarísticas. Pode considerar-se que há uma nova fase a partir do momento em que os redatores passam a usar, de forma sistemática, o Septem linguarum Calepinus de Jacobo Facciolati (1682-1769). Trata-se de uma versão revista e ampliada do Calepino, editada em Pádua a partir de 1718, redigida em latim e particularmente abundante em citações de autores clássicos. Os redactores podem optar por um dos dicionários como base do artigo, mas por norma ainda recorrem ao dicionário italiano para completar os artigos traduzidos de Danet.

26O dicionário italiano tornou-se progressivamente uma fonte mais recorrente que Danet, como se pode verificar nos cadernos das letras L, M, Q, R, T e U, da responsabilidade de um mesmo redactor. Não só aumenta o número de artigos traduzidos de Facciolati, como o trabalho de revisão desses cadernos vai no sentido de acrescentar informação do dicionário italiano, seja sob a forma de aditamentos, seja corrigindo ou precisando textos de Danet, com informações literalmente extraídas de Facciolati (represento com um risco o texto cancelado, sublinho o tenho corrigido ou acrescentado:)

Manuscrito
Labeates, g. tum m. pl. Plin. Os povos da Liburnia que habitão junto do Lago de Scutari, cuja capital he scorda.
Magnum Dictionnarium Labeates, genit. Labeatum m. plur. Liv. Peuples de Liburnie.
Septem Linguarum Calepinus
Labeatis lacus, lago di Scutari, lacus Dalmatiae, montibus undique septus, nisi ad Septentriones, apud Scodram urb. [...]

27A “Advertência” à letra S é o único testemunho do trabalho de redacção. Neste texto, o lexicógrafo pretende transmitir indicações de correcção para o revisor, revelando indiretamente informações sobre a técnica de composição.

Advertencias. Em 13 Cadernos esta a Compoziçaõ de toda a letra S, na qual segui inteiramente a Facciolato, procurando cercear, o que me pareceu se podia escuzar; e talvez peque por diminuto, mais que por extenso
O que podia accrescentar do novo Thesaurus naõ me foi possivel polo aqui; porq nunca me veyo a maõ o d. to livro por estarem no mesmo tomo as letras S. e U. Bem creyo que pouco faltará porque Facciolato na minha opiniaõ he abundantissimo, e naõ falta ao que he substancial. Se porem houver alguã falta, sem muito trabalho o suprira, quem entrar a rever, e emendar estes cadernos.
Tambem se deve supprir do Diccionario Geographico o que falta nos nomes de terras, rios & c., e para se conhecer, aonde he a falta, se achara a margem hum asterisco * devendose advertir, que aqui so puz os nomes das d. as terras, rios, & c. que tenhaõ authoridade de algum dos authores, a quem seguimos. [...]
Segui sempre o methodo da uniformidade, que me deraõ escritto, se bem que do S. U. por diante evitey o por pen. b. e couzas semelhantes uzando de accentuaçoens, ou notas, assim por ser mais breve, como por ouvir dizer que ultimamente assim se practicava.
Ainda que fiz m. to por pôr o exemplo do author, que allegava, algumas vezes a naõ puz ou por serem vocabulos, que a cada passo se encontraõ, ou por serem de rarissimo uzo, como saõ palavras facultativas de Medicina, Architectura, nomes de ervas, arvores, pedras preciosas & c. contentandome nestes de citar o auhtor que delles uzou; porque tambem Facciolato assim o praticca m. tas vezes.
Finalmente naõ duvido que nesta composiçaõ se encontrem descuidos, e muito, que notar, mas como non omnia possumus omnes tenha a paciencia de os emendar, quem melhor souber.

  • 4 No artigo Museum (fol. 84 r.) refere-se a construção da Capela de S. João da Igreja de São Roque, d (...)

28Nesta fase, os redactores já seguem explicitamente Facciolati, com o intuito de o abreviar, e dispensam o recurso a outras fontes de referência, como o Tesouro de Estinenne, argumentando que o dicionário italiano era “abundantissimo, e naõ falta ao que he substancial”. Há poucos elementos que auxiliam na datação das diversas fases de composição do manuscrito. Sabe-se, por exemplo, que a primeira compilação da letra M decorre após 17504 e que a letra S é ainda posterior, porque o lexicógrafo aplica normas de redação que descreve como mais recentes.

3. REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DO DICIONÁRIO

29A última revisão acompanha os critérios de selecção de nomenclatura e acepções observados pelos dicionários modelares. O dicionário torna-se “filológico”, com uma delimitação que não é estritamente diacrónica, que evita as palavras formadas tardiamente, ou as alterações semânticas testemunhadas ou introduzidas pelos autores posteriores à queda do império romano. Nas definições, que são construídas a partir da interpretação de usos em textos, são suprimidas as referências a autores de menos pura latinidade. Na primeira versão, esses usos eram assinalados, indicando aos utilizadores que deveriam ser evitados caso o objectivo fosse uma expressão latina que emulasse o léxico e a semântica do período clássico; a revisão suprime as referências.

Missus g. ûs. m. Lib. Nepos. A acção de attivar, e lançar alguma couza,. v. g. Lanças, settas, & c. Item. O mando, a acção de mandar. Liv. ¶ Item. A acção de fazer partir dos seus lugares aos cavalleiros dos jogos circenses, ou outros semelhantes, de dous em dous, ou de quatro em quatro; e tambem a acção de mandar os gladiadores; de despedirem para o carro as feras, que se havião de correr. Suet. Varr. Item. Para com os Authores de menos pura Latinidade, a acção de levar os guizados á meza, e a repartição de os levar cada hùm, por sua vez.
Mandator, g. oris.
incr. l. m. Suet. in. Tito. O que persuade, move e excita; ou peita, e soborna principalmente ao accuzador, para que delate ou prosiga a cauza. ¶ Geralmente significa o que manda alguma couza, mas nesta acepção não tem uzo entre os Authores classicos.

30A revisão melhora substancialmente a redacção das definições. A existência de uma tradição dicionarística e o esteio de memória textual impressa contribuem para uma percepção da propriedade de sentido. Procura-se reduzir a acumulação sinonímica marcadamente redundante e as paráfrases extensas, que eram características das edições da Prosódia compiladas no século XVII. As substituições são possíveis em parte devido ao alargamento lexical, a partir de formas decalcadas do latim ou pela derivação a partir de sufixos analógicos aos latinos. Vd., no seguinte exemplo, a substituição de couza cheia de artificios por artificioso:

Macerare ¶ Item. Lançar alguma couza de molho, Curtir, abrandar alguma couza na agoa, ou outro licor. Vimina macerare in piscina. Colum. Abrandar o vime na agoa ou na fonte no tanque.
Machinosus, a, um. Suet. Couza
antificiosa feita por maquinas., e artes. Couza cheia de artificios, e maquinas.

31As alterações de conteúdos informativos respondem a uma adequação ideológica, motivada por orientações políticas e morais. Tentar aferir a “neutralidade” dos lexicógrafos é invocar conceitos potencialmente anacrónicos: os textos e a prática didáctica, nesta época, são entendidos como uma demonstração de fé e um veículo de valores éticos e espirituais. Há certamente um desejo de conformação com a ordem estabelecida e preservação dos costumes, evitando interpretações subversivas dos factos históricos, mas, do ponto de vista da descrição lexical, parece mais interessante notar que a revisão opera uma actualização da relação com os referentes. Assim, as definições procuram recobrir o significado no contexto da língua clássica e também os eventuais usos modernos. No exemplo seguinte, além da óbvia censura da descrição que insinua a corruptibilidade dos funcionários administrativos, se a substituição de publicanos por junta dos rendeiros:

Magister societatis. Cic. O prezidente da junta dos publicanos rendeiros, ou cobradores dos dinheiros, e tributos reaes. Magister Curiarum. O que reparte dinheiro, para assim poder alcançar os votos no seguimento dos cargos.
[da condensação resulta esta versão final:]
O prezidente da junta dos rendeiros, ou cobradores dos dinheiros, e tributos reaes.

32Mantém-se, todavia, as informações que introduzem um discurso de tipo doutrinário, que visa denunciar a falsidade de outras religiões, a idolatria e os rituais pagãos.

Magia, g. ae. f. Plin. Apul. A Magia, a arte mágica. Esta se divide em duas especies, a primeira consiste no perfeito conhecimento, e sciencia das couzas naturaes, ao qual se applicarão Pithagoras, Platão, e outros insignes Filozofos. A segunda consta de varias feiticerias; consiste em muitas invocações do Demonio, e em encantos: Em todas as leys he prohibida.

33Tratando-se de um dicionário latino, regista-se a cristianização dos textos clássicos, sob a forma de traduções que reconvertem a terminologia religiosa e o contexto de referência:

Mactus, a, um. Cat. Couza augmentada, accrescentada. [...] Macti ingenio este, coeli interpretes. Plin. Mostrai oh Divinos interpretes, que Deus vos comunicou hum grande espirito, e entendimento.

34O dicionário caracteriza-se pela expansão da informação de tipo enciclopédico, que é a apresentação de factos associados às palavras em estudo, por oposição ao conhecimento metalinguístico sobre as palavras. Esta convergência de saberes extralinguísticos não era muito desenvolvida em obras de apoio à escolarização, mas era omnipresente nos dicionáriostesouro, que faziam a ponte entre os estudos filológicos, literários e históricos. Rafael Bluteau registou nos artigos do Vocabulário longas secções de informação enciclopédica em português. Seguindo o exemplo, os primeiros redactores do dicionário de Évora traduzem esse género de excursos digressivos, em que confluem diferentes tipos de informação.

35Os dicionários do século XVII incorporavam fundo textual de tradição escolástica, com notícias míticas e pitorescas que, não pretendendo ser factuais e comprovadas, constroem uma rede de símbolos e dão origem a lugares comuns partilhados. São iterações de folhas volantes, tratados e relações com descrições de povos, costumes e casos prodigiosos (cf. Silvestre, 2007). O Vocabulário de Bluteau ainda dá espaço a alguns destes relatos, mas com o distanciamento que não compromete o lexicógrafo com a veracidade dos factos.

36Os revisores do dicionário têm uma perspectiva crítica sobre a validade informativa destes conteúdos, que em meados do século XVIII se tornavam insustentáveis em face da renovação do conhecimento experienciado e documentado. Boa parte destes textos são suprimidos, o que contribui para uma modernização e simplificação dos artigos. Alguns exemplos de excertos cortados no manuscrito:

Mammae porci. Mart. As tetas uberes das porcas.
[excerto suprimido:]
Prodigiozamente estes animaes uzão de suas primazias com os seus filhos, por que aos que primeiro nascem, costumão as mays dar as uberes mais immediatas ao pescoço, e as que se seguem por sua ordem aos outros, que nascem depois: e de tal sorte ficão affeiçoados os leitões á que lhe cahio por sorte a primeira vez, que não sugão em outra: se se separa algum delles do abrigo da may, seccase logo aquella ubere, que lhe pertencia; se lhe tirão á may todos, excepto hum, só a ubere deste dá leite.

[artigo suprimido:]
Machlis, g. lis. Plin. Huma especie de animal semelhante ao alce, especial da Ilha Scandinavia, sem juntas nos pês; e por esta razão não pode dormir deitado, mas só encostado nos troncos das arvores; o que dá
lugar occazião aos cassadores para cortarem os ditos troncos, a que se hande encostar, donde succede cahirem no chão os ditos animaes com as arvores; e destea modo sorte ficão preza dos cassadores, a qual não poderião haver de outro modo pella sua ligeireza.

37Um aspecto original do manuscrito é o registo da evolução de perspectivas sobre o grau de abrangência da informação enciclopédica. Representa a euforia acumulativa que caracteriza os dicionários da primeira metade do século, que tem como modelo o dicionário de Trevoux, publicado a partir de 1704, em que se aceitava a combinação de informações que com o avançar do século se viriam dividir em diferentes tipos de dicionários. (sobre o dicionário de Trevoux, cf. Quemada, 1998: 60-61). Este sincretismo será avaliado com novas exigências críticas, que vêem na abundância o excesso e a desorganização. A informação conservada é essencialmente do domínio da história:

Maecenas, ou Moecenas, ou Mecaenas, g. atis, [incr. l] Cic. C.
Clinio Mecenas, natural de Toscana, nobre cavalheiro, e celeberrimo fautor, e patrono das letras humanas, e dos que a ellas se applicavão: por cuja cauza lhe dedicou Virgilio as suas Georgicas, e Horacio o primeiro livro dos seus versos. Floreceu no tempo de Augusto, e não só era pulchro, e delicado no traje, e costumes, mas tambem no estilo de compor; por esta cauza lhe chamava Augusto mellindrozo, e o censurava de tudo lhe parecer mal, e de ser máo imitador dos Authores, como diz Suetonio; donde procedeu chamarem-se Mecenas, os que erão notados em semelhantes defeitos [...]
Museum, ou Musaeum, g. ei, ou aei. n. Pllin. O lugar consagrado ás Muzas, aonde davão reposta como oraculos. Houve hum destes lugares em Macedonia, junto do monte Olympo. § Item. O lugar, ou edeficio, aonde concorrem muitos a aprender as artes, e e sciencias. Suet.
Musea. Plin. se dizem nos edeficios as formaturas, e artefactos compostos de pedras bem levigadas, e unidas;
[suprime-se o seguinte excerto]
a obra de pintura Mozaica, de que há muitas em Roma; e novamente para a capella de S. João da Caza Professa de S. Roque dos. PP. da Companhia em L. xa vierão trez quadros, que cauzarão grande admiração, por serem os primeiros, que entrarão em Portugal: Ajuntãose estas pedras entre si, e se apertão do mesmo modo que nas imprensas as letras.

38A revisão trouxe mais coerência ao conjunto, na medida em que valorizou a informação histórica factual sobre a cultura clássica e as instituições sociais e políticas modernas. As marcas de afiliação à instituição jesuíta foram moderadas ou mesmo suprimidas, propondo um texto que ultrapassaria o universo escolar e poderia fazer parte das bibliotecas particulares.

4. UM ELO PERDIDO

39Se tivesse ido impresso, o dicionário jesuíta seria uma obra original na lexicografia portuguesa, ampliando o espaço do discurso enciclopédico nos textos metalinguísticos. O principal texto disponível em português era o Vocabulário de Bluteau, que reproduzia fontes do final do século XVII. Em meados do século XVIII as suas informações estavam ultrapassadas em face da contínua atualização dos dicionários enciclopédicos franceses, que eram importados para Portugal. A história do que “poderia ter sido” é naturalmente especulativa, mas um texto enciclopédico saído dos prelos jesuítas teria uma larga repercussão e motivaria decerto a publicação de outras obras de síntese e divulgação de conhecimentos, como a série de volumes da Recreação Filosófica de Teodoro de Almeida, publicada entre 1751 e 1800.

40O manuscrito de Évora é um elo perdido na tradição lexicográfica portuguesa, que comprova a evolução das influências tipológicas e da técnica dos padres da escola jesuíta. O longo esforço de compilação e revisão dos materiais acompanha a percepção de que o público dos dicionários e a sua função social estavam em sensível mutação. Na última revisão reconhece-se que o espaço da língua latina e dos conhecimentos que o seu estudo mobiliza também mudou, com uma maior exigência nas correspondências entre o latim e o português, e uma redobrada atenção na propriedade de expressão na língua vernácula. Se na Prosódia escolar, em uso nos colégios, o português era uma língua segunda, neste ensaio enciclopédico tornou-se objecto dos mesmos cuidados que merecia o latim, evitando repetições, sinonímias supérfluas e paráfrases inadequadas a uma língua em expansão lexical.

41Este é também o elo que anuncia e ensaia a nova lexicografia escolar latinoportuguesa dos jesuítas. O Pe. José Caeiro, por volta de 1754, foi encarregado da redacção de uma nova Prosódia escolar, em Lisboa (vd. Morais, 1939: 5). Na preparação desse dicionário, tal como os seus antecessores de Évora, segue Facciolati, adoptando critérios filológicos que corrigem muitas críticas apontadas à Prosódia ainda em uso. A impressão inicia-se em 1759, mas é interrompida na letra S pela expulsão dos jesuítas de Portugal. A história subsequente já é conhecida: não obstante a sua qualidade, o dicionário permaneceu armazenado por quase 30 anos, até que os oratorianos receberam a incumbência de o completar para suprir a urgente necessidade de um bom dicionário latino. Manuel de Pina Cabral (1746-c. 1810) é encarregado de redigir as letras finais e, com o título de Magnum Lexicon, sairá em 1780 sem que anunciar a verdadeira autoria e a filiação jesuíta.

42Expandindo a metáfora, o manuscrito BPE-CXIII-2-26 é um precioso “fóssil” metalinguístico que nunca conheceremos sob a forma de documento final, mas que, fixado num momento do seu percurso de redacção, combina as características dos seus antecessores e descendentes evolutivos.

Bibliographie

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CALEPINO, Ambrogio e Jacobo FACCIOLATI (1746): Septem linguarum Calepinus: Hoc est Lexicon Latinum, variarum linguarum interpretatione adjecta in usum Seminarii Patavini. Patavio: Typis Seminarii.

CAMERON, Helena (2012): A Prosodia de Bento Pereira: contributos para o estudo lexicográfico e filológico. Tese de doutoramento. Aveiro: Universidade de Aveiro.

DANET, Pierre (1726): Magnum dictionarium Latinum et Gallicum: ad pleniorem planioremque scriptorum Latinorum intelligentiam, collegit, digessit, ac nostro vernaculo reddidit cum notis. Lugduni: Apud Nicolaum de Ville.

FURNO, Martine (1997): "Les dictionnaires de Pierre Danet pour la collection Ad usum Delphini". Histoire de l`éducation, n° 74, 115-130.

PASINI, Giuseppe (1758): Vocabula Latini, Italique Sermonis ex aureis, et optimis scriptoribus collecta, ac in duos libros distributa, quibus quibus insertae sunt elegantiores & difficiliores utriusque Linguae phrases, locutiones, proverbia & c. ad usum studiosae humaniorum literarum juventutis in taurinensi gymnasio ceterisque subalpinae Italiae Scholis. Augustae Taurinorum: Ex Typografia Regia.

PEREIRA, Bento (1697): Prosodia in vocabularium bilingue, Latinum, et Lusitanum digesta... /Auctore Doctore P. Benedicto Pereyra.... Septima editio auctior, et locupletior ab Academia Eborensi […]. Eboræ: ex Typographia Academiae.

______ Prozodia ou vocabulario das línguas latina e portugueza. Composta pelo padre Dr. Bento Pereira da Companhia de Jesus. Novamente reformada, reduzida ao melhor methodo e augmentada com innumeraveis modos de fallar dos auctores clássicos, traduzidos na nossa lingua, e necessarios para a intelligencia da latina. B. P. E., Cod. CXIII – 2/26.

RIVARA, Joaquim Heliodoro da Cunha e Joaquim António de Sousa Teles MATOS, (1869): Catalogo dos manuscriptos da bibliotheca publica eborense, tomo II. Lisboa: Imprensa Nacional.

SILVESTRE, João Paulo (2007): "Diferença e preconceito: testemunhos linguísticos de percepções interculturais no século XVIII". In: Glauco Vaz Feijó e Jacqueline Fiuza da Silva Regis orgs., Festival de Colores: Dialoge über die portugiesischsprachige Welt. Tübingen: Calepinus Verlag, 95-101.

SILVESTRE, João Paulo (2011): "Testemunhos manuscritos da lexicografia bilingue". In: Telmo Verdelho, João Paulo Silvestre eds., Lexicografia bilingue. A tradição dicionarística português – línguas modernas. Lisboa/Aveiro: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa/Universidade de Aveiro, 68-81.

SILVESTRE, João Paulo e Ana BORGES (2012): "A escola lexicográfica de Évora: um contributo jesuíta para a reforma pombalina". In: Sara Marques Pereira e Francisco L. Vaz coords., Universidade de Évora (1559-2009). 450 anos de modernidade educativa. Lisboa: Chiado Editora, 323-334.

VERDELHO, Telmo (1982): “Historiografia Linguística e Reforma do Ensino – A propósito de três centenários: Manuel Álvares, Bento Pereira e Marquês de Pombal”. Brigantia, vol. II, 4, 347-560.

VERDELHO, Telmo (1993): “Aspectos da obra lexicográfica de Bento Pereira”. In: XXème Congrès International de Linguistique et Philologie Romanes, t. IV, Section VI, 777-785.

Notes

1 Silvestre (2011).

2 Para uma síntese do percurso editorial da Prosódia, cf. os estudos de T. Verdelho (1982, 1993) e, mais recentemente, a tese de doutoramento de Helena Cameron (2012). No total houve 12 edições: 1634, 1653, 1661, 1669, 1674, 1683, 1697, 1711, 1723, 1732, 1741, 1750.

3 Radices seu Dictionarium linguae Latinae (1677), Dictionarium nouum latinum et gallicum (1680), Nouveau dictionnaire françois et latim (1683).

4 No artigo Museum (fol. 84 r.) refere-se a construção da Capela de S. João da Igreja de São Roque, dos inícios da década de 50.

Auteur

Centro de Linguística da Universidade de Lisboa
Investigador do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL). Doutor em Linguística. Co-responsável pelo projecto Corpus Lexicográfico do Português. Especialista em Lexicologia, História da Lexicografia e Edição de Corpora. jpsilvestre@fl.ul.pt

© Publicações do Cidehus, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Lire

Open access

Acheter

Volume papier

Chargement

Unavailable