In limine. Património Textual e Humanidades Digitais

Da antiga à nova Filologia

Maria Filomena Gonçalves et Ana Paula Banza

We now live in a pervasively digital world and Humanists have an opportunity to rethink our goals. On the one hand, we can now develop research projects that are broader and deeper in scope than was feasible in print culture. First, we can trace ideas across dozens of languages and thousands of years. Second, the explosion of high-resolution digital representations of source texts, objects, and archaeological data sets has, in some quarters, transformed the traditional (and out of fashion) task of editing. At the same time, the shift to a digital world does not simply allow professors to produce more specialist publications. Rather the explosion in source materials available to a global net public requires advanced researchers and library professionals to draw upon student researchers and citizen scholars as essential collaborators.
(Gregory Crane, Humanities in a Digital Age, 2012)

  • 1 Cf. “Filologia”. In: Carlos Ceia ed. (2010), E-Dicionário de termos literários. Disponível em: http (...)

1Nos últimos anos tem-se assistido a um “retorno à filologia” (Paul de Man, Retourn to Philology) mas esse regresso à esfera dos problemas em torno do texto não se traduz, como bem enfatiza Ivo Castro (2005), numa simples “restauração” dos tradicionais conceitos e dos métodos de leitura com vista à edição textual. Entre as actuais definições de Filologia, a de Rita Marquilhas1 resume bem o alcance deste termo:

estudo do texto escrito na perspectiva de sua produção material, da sua transmissão através do tempo e da sua edição. O que é essencial no texto que constitui o objecto da filologia é o seu registo em suporte material, ficando os textos orais excluídos das preocupações desta disciplina. O termo evoluiu de uma acepção muito lata, romântica sobretudo, que englobava os estudos literários e linguísticos, para o conceito estrito de disciplina concentrada na recriação das coordenadas materiais e culturais que presidiram à fabricação e sobrevivência de um texto escrito. A orientação última é de preparar a edição do texto, daí que a filologia culmine na crítica textual. Tem, ainda, como disciplinas auxiliares, a codicologia, a bibliografia material, a manuscriptologia e a paleografia, segundo as quais se descreve e interpreta a dimensão material do texto: o livro, o documento e a letra que o enformam.

  • 2 A título meramente exemplificativo, refiram-se as referências arroladas mais adiante, no Capítulo i (...)

2Não sendo propósito desta introdução desenrolar a teia de práticas e conceitos filológicos mencionados pela autora da citação acima, porque para tal existe abundante bibliografia específica2, optamos por interrogar-nos sobre a repercussão das actuais ferramentas tecnológicas na materialidade do texto, acerca das potencialidades oferecidas pelos novos recursos mas também da verdadeira revolução que estes supõem, seja em termos de armazenamento textual, seja de elaboração de corpora com distintos objectivos e funcionalidades, que podem ir da simples quantificação de ocorrências, à anotação sintáctica ou extracção automática da datações lexicais, para apenas referir algumas das inúmeras possibilidades.

3Com efeito, os caminhos trilhados, quer pelo texto, quer pela disciplina filológica, cujas afinidades históricas com a Literatura e a História da Língua são sobejamente conhecidas, cruzaram-se com os desenvolvimentos tecnológicos que, sem substituírem o caldo de cultura em que se enraíza a Filologia, colocaram ao dispor do filólogo novos suportes de texto, várias formas de manipulação e processamento da escrita – OCR (Optical Character Recognition) e NPL (Natural Language Processing), por exemplo – e, graças à Linguística de Corpus, a optimização do gerenciamento de acervos textuais com inúmeras virtualidades. Como é evidente, a Filologia e a Crítica Textual confrontam-se actualmente com os problemas inerentes às edições digitais, que colocam novos desafios ao filólogo.

4No entanto, do feliz congraçamento entre as mais recentes tecnologias e a antiga Filologia, surgiu um novo universo de possibilidades para a preservação, disponibilização e análise de textos antigos, universo em que é possível oferecer ao leitor mais de uma edição do mesmo texto, permitindo que tenha ao seu dispor o texto editado, em diferentes versões, e o seu original. Por outro lado, os acervos ou bibliotecas digitais apresentam-se ao investigador, e bem assim ao público em geral, como verdadeiras bibliotecas globais, possibilitando-lhe o acesso a fontes em qualquer parte do mundo, sem sair do escritório, fontes que podem ser coleccionadas numa pen-drive ou partilhar livremente, com a simples mediação do notebook ou de um tablet.

5Cada vez mais especializado e menos tangível, o livro, no universo hoje conhecido como Digital Humanities – DH (Humanidades Digitais – HD), perde a sua materialidade física para adquirir uma dimensão virtual, e o texto, por sua vez, passa a ser objecto de novas práticas não só na reprodução mas também em termos de leitura e, ainda, de investigação.

6Se é verdade que continua a ser discutido o estatuto deste recente domínio e, em concreto, a repercussão da transferência tecnológica para o âmbito da Filologia, é ponto assente que as Humanidades Digitais requerem equipas muiltidisciplinares, uma vez que apenas o concurso de competências diversas permite responder aos problemas técnicos, filológicos e linguísticos inerentes à manipulação informática de textos, dos antigos em particular.

7São muitas as perspectivas em torno do exercício filológico mas também não são poucas as reflexões e posições suscitadas pelas Humanidades Digitais, porquanto estas, assentando embora na transferência de ferramentas informáticas para o terreno das Humanidades, não são, afinal, uma mera extensão da Linguística Computacional e da Linguística de Corpus, dado que as Humanidades Digitais não dispensam o conhecimento da elaboração histórica da escrita, consubstanciada no texto. Na verdade, as HD implicam conhecer quer as práticas de escrita de cada época, quer as suas especificidades gráficas, pontuacionais e até braquigráficas. Tal como afirma Paris O’Donnel (University College of London), o alcance das Humanidades Digitais excede amplamente a mera transferência de meio:

Digital Humanities is a quickly evolving interdisciplinar activity that not only transfers to digital media but also radically extends the potential uses and impacts on texts, cultural objects and other data.

8Nessa transferência radica precisamente o desafio epistemológico que as Humanidades Digitais representam para as disciplinas de raiz humanística. Desvalorizadas desde há décadas pela cultura do rendimento imediato, das falácias do “empreendedorismo”, “empregabilidade” e da utilidade e consumo imediatos, as tradicionais Humanidades encontram nas Humanidades Digitais um terreno bastante promissor, com impacto directo na preservação e divulgação do património, mas também na economia. O universo digital trouxe para a esfera do livro e do texto uma dimensão global, permitindo que às multisseculares bibliotecas se tenham acrescentado as bibliotecas virtuais, cuja acessibilidade tornou mais rápida e menos árdua a actividade do investigador, que deixou de estar condicionado aos horários de arquivos e bibliotecas convencionais. Também estas têm entrado no mundo digital, inventariando e disponibilizando materiais – catálogos on line, por exemplo –, até há pouco reservados aos happy few que pudessem deslocar-se a dada biblioteca para consultar uma preciosidade bibliográfica. Porém, nem a facilidade e a rapidez do acesso, nem a economia de esforço que supõe “descarregar” documentos digitalizados em qualquer parte do mundo, suprem, ao menos para um bibliófilo, um filólogo ou um historiador, o manuseio do livro convencional, pois este é um objecto de fruição cultural e intelectual cujas características físicas – volume, textura, cor, aroma… – são insubstituíveis tanto quanto o são as antigas bibliotecas – vejam-se, por exemplo, a Joanina da Universidade de Coimbra, a do Convento de Mafra ou a Pública de Évora –, pensadas como “sedes da sapiência” e que traduzem a ideologia e a cultura do seu tempo. Ora, por mais que o e-Book possa concorrer com o livro em papel e por mais práticas e úteis que sejam (e são!) as bibliotecas digitais, dificilmente aquele e estas substituirão o prazer estético-cultural até hoje suscitado por um códice iluminado ou um vasto acervo de obras raras.

9No entanto, o processo de inovação tecnólogica é imparável.

  • 3 A multiplicidade de teorias e de práticas não é, em si mesma, um aspecto negativo, antes pelo contr (...)

10Por isso, as HD são compelidas a equacionar o seu escopo epistémico, na linha sugerida por um título recente de David. M. Berry – Understanding The Digital Humanities (2012). Apesar da notória dispersão conceptual e metodológica3 existente em HD, os centros que se vêm dedicando a este domínio já avançaram bastante quer no tocante à problematização da natureza das HD – vejam-se os estudos de Crane (2008) e Berry (2012), entre outros –, quer quanto à sua aplicação a problemas concretos. Entre as instituições pioneiras no âmbito das HD importa realçar, por exemplo, o CESTA – Center for Spatial and Textual Analysis (Stanford University), o Institute for Digital Research in Digital Humanities (University of Kansas), o ITSEE – Instititut for Textual Scholarship and Electronic Editing (University of Birmingham) e o LOEWE – Center Digital Humanities (Goethe-Universität, Frankfurt am Main).

11Que as HD são um fenómeno verdadeiramente global, prova-o a criação de associações como a European Association for Literary and Linguistic Computing (ALLC: http://www.allc.org), a Asociaziones per l’informatica umanistica e Cultura Digitale (http://www.umanisticadigitale.it/​), a Canadian Society for Digital Humanities/Société Canadienne des Humanités Numériques (CSDH/SCH: http://csdh-schn.org), a Australasian Association for Digital Humanities (aaDH: http://aa-dh.org/​) e a Japanese Association for Digital Humanites (JADH: http://www.jadh.org), entre outras.

12Muitas destas associações integram, por sua vez, a Alliance of Digital Humanities Organizations (ADHO), que realiza conferências anuais desde 1990, o que constitui uma manifestação inequívoca do processo de institucionalização das HD.

13No mundo hispânico são várias as redes que agrupam centros de investigação e projectos especializados em Humanidades Digitais: a HDH Humanidades Digitales Hispánicas. Sociedad Internacional, criada em Espanha; RedHD Red de Humanidades Digitales (México) e a HDA – Humanidades Digitales Argentina (http://hdargentina.weebly.com/​).

14No caso do Português, as Humanidades Digitais deram passos significativos graças a projectos como o CIPM – Corpus Informatizado do Português Medieval (CLUNL, http://cipm.fcsh.unl.pt/​), o DICIweb – Corpus Lexicográfico do Português (Universidade de Aveiro/CLUL, http://clp.dlc.ua.pt/​Projecto.aspx) e o P. S. Post Scriptum – Arquivo Digital de Escrita Quotidiana em Portugal e Espanha na Época Moderna (http://alfclul.clul.ul.pt/​cardsfly/​index.php). No Brasil, por sua vez, merecem destaque os seguintes projectos: Corpus Tycho Brahe (www.tycho.iel.unicamp.br/~tycho/corpus), primeiro e único corpus histórico do português a apresentar textos com anotação morfossintáctica, e em cujo âmbito foi criado o e-Dictor, ferramenta de editoração usada por vários grupos de investigação quer no Brasil, quer em Portugal; o Grupo de Pesquisa – Humanidades Digitais da Universidade de São Paulo (http://humanidadesdigitais.org/​apresentacao-2/​), integrado na AHDig, Associação das Humanidades Digitais (http://ahdig.org/​), criada expressamente para congregar projectos em torno das HD no universo da língua portuguesa.

15Como resultado desta aliança entre a informática/computação e as Humanidades (em particular a Filologia e a História da Língua), quem pretenda hoje rastrear fontes desconhecidas ou esquecidas nas bibliotecas portuguesas ou tenha ao seu dispor acervos documentais de grande valor dispõe não apenas de ferramentas adequadas ou adaptáveis a objectivos específicos mas também de meios de difusão da informação inimagináveis quando, na década de 60 do século passado, surgiram as edições de “hipertexto” ou, ainda, quando o computador entrou nas nossas casas como quem veio para ficar, mudando hábitos de trabalho, de lazer e consumo e, em especial, de investigação, acrescentando novos desafios aos antigos problemas filológicos.

16Com este livro, intitulado Património Textual e Humanidades Digitais – Da antiga à nova Filologia, pretende-se, por um lado, recuperar e valorizar não só fontes da memória textual do português clássico que ou são desconhecidas ou têm andado esquecidas – vejam-se os textos de Arnaldo Espírito Santo e João Paulo Silvestre e, ainda, o de Maria Filomena Gonçalves e Ana Paula Banza – mas também demonstrar o interesse cultural e filológico de espólios de manuscritos da fase final do período clássico (o espólio cenaculano, estudado por Francisco Vaz); por outro lado, pretende-se mostrar como hoje é possível aplicar o meio digital a fontes antigas e quais as soluções encontradas para casos concretos, conforme ilustram os trabalhos de Maria Clara Paixão de Sousa, Paulo Quaresma e Manuel Raaf. O percurso desenvolvido neste volume, que vai da Filologia tradicional à Filologia Digital, culmina na apresentação de uma ferramenta criada expressamente para apoiar a investigação filológico-linguística de manuscritos que, evidentemente, colocam dificuldades distintas das dos impressos.

17Os textos reunidos neste volume representam, pois, o percurso da antiga à nova Filologia, que se assume como uma Filologia Digital, representando algumas das áreas de investigação que se situam (ou se adentram) em domínios de tangência com as Humanidades Digitais – a história do livro e da leitura, a inventariação de espólios, o resgate de textos clássicos e a análise de fontes pouco ou escassamente estudadas – e congregando temas quer de raiz filológica, linguística e historiográfica, quer do âmbito da Informática e da Linguística Computacional.

18Reputado investigador vieirino, latinista e estudioso da literatura renascentista em língua latina, Arnaldo Espírito Santo oferece-nos um excelente exemplo de resgate e análise do Viridarium (1631), do Padre Francisco de Mendoça SJ, Reitor da Universidade de Évora, obra “injustamente esquecida”, que assim se vê revalorizada no contexto da literatura das primeiras décadas de Seiscentos.

19Da inventariação do espólio epistolar de Frei Manuel do Cenáculo Villas-Boas, fundador da bicentenária Biblioteca Pública de Évora, trata o texto de Francisco Vaz, estudioso da história das bibliotecas, do livro e da leitura em Portugal.

20Na recuperação e a análise do precioso manuscrito (inédito) da Prosódia, de Bento Pereira (1605-1681), famoso lexicógrafo e gramático da escola eborense do século XVII, centra-se o estudo de João Paulo Silvestre, especialista em história da lexicografia portuguesa e membro da equipa do DICIweb – Corpus Lexicográfico do Português.

21Na análise historiográfica e linguística do léxico arrolado nas Reflexões sobre a Lingua Portuguesa (1842), de Francisco José Freire (1719-1773), obra publicada em consonância com as práticas filológicas do século XIX, detêm-se Maria Filomena Gonçalves e Ana Paula Banza, investigadoras do EDHILP – Edições Digitais para a História da Língua Portuguesa, projecto em que se inscreve o estudo do manuscrito e da edição oitocentista daquela obra.

22Dos rumos da Filologia na era das Humanidades Digitais trata o texto de Maria Clara Paixão de Souza, historiadora da língua e coordenadora do Grupo de Pesquisa – Humanidades Digitais, da Universidade de São Paulo, que desta feita se/nos interroga acerca dos aspectos filológicos decorrentes da transição da “cultura escrita” para uma “cultura digital”, trazendo reflexões da maior pertinência para quantos se aventuram no universo da chamada Filologia Digital.

23O trabalho de Paulo Quaresma, especialista em Engenharia Informática, constitui uma excelente demonstração, quer dos recursos informáticos, quer das soluções encontradas para a pesquisa automática na edição das Gazetas Manuscritas de Évora (1729-1754), inéditas até há poucos anos.

24A encerrar o volume, Manuel Raaf, investigador do LOEWE-Center Digital Humanities, da Goethe-University Frankfurt am Main, apresenta um exemplo concreto da anotação de manuscritos on line, descrevendo a ferramenta desenvolvida naquele Centro e a sua utilidade não só para o subprojecto Caucasian Palimpsests como para projectos semelhantes.

25Os textos apresentados neste volume estabelecem, pois, uma ponte entre a Filologia tradicional, assente em sólida e fundamentada lição do texto, e uma nova Filologia que, embora escorada em recursos tecnológicos, não dispensará o conhecimento inerente àquela, porquanto a nova janela filológica deve aliar as competências humanísticas e práticas de uma às mais actualizadas técnicas da outra. Desse cruzamento resultam as Humanidades Digitais, domínio cuja epistemologia continuará a ser equacionado com vista à delimitação de uma área que congrega filólogos, linguistas, especialistas em Ciências da Computação e Processamento Natural da Linguagem.

26O recente Seminário Internacional de Humanidades Digitais, realizado em São Paulo de 23 a 25 de Novembro de 2013, é um exemplo cabal da inter/transdisciplinaridade inerente quer às problemáticas teóricas e práticas, quer às metodologias que configuram as HD, ou, ainda, das vantagens de um trabalho colaborativo em rede.

27Com as contribuições reunidas neste volume esperam as suas organizadoras trazer novas e relevantes achegas para a discussão em torno dos novos caminhos que, da antiga, nos vêm conduzindo a uma nova Filologia.

Notes

1 Cf. “Filologia”. In: Carlos Ceia ed. (2010), E-Dicionário de termos literários. Disponível em: http://www.edtl.com.pt/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=200&Itemid=2

2 A título meramente exemplificativo, refiram-se as referências arroladas mais adiante, no Capítulo intitulado “Fontes metalinguísticas para a história do português clássico: o caso das Reflexões da Lingua Portugueza”.

3 A multiplicidade de teorias e de práticas não é, em si mesma, um aspecto negativo, antes pelo contrário. A esse propósito, cabe aqui perguntar se o conceito de HD significa o mesmo para todos quantos trabalham neste domínio. Por outro lado, se as HD vão além da simples transferência de meio, como sustenta O’Donnel, será igualmente pertinente perguntar em que tipo de problemas encontra a Filologia Digital a sua especificidade e qual será a sua verdadeira vocação humanística e científica.

Auteurs

Maria Filomena Gonçalves

Docente e investigadora do Departamento de Linguística e Literaturas da Universidade de Évora. Doutorada em Linguística Portuguesa e Agregada em História da Língua Portuguesa e Historiografia Linguística. Membro do CIDEHUS-UÉ. mfg@uevora.pt

Ana Paula Banza

Docente e investigadora do Departamento de Linguística e Literaturas da Universidade de Évora. Doutorada em História da Língua Portuguesa. Membro do CIDEHUS-UÉ. anabanza@uevora.pt